"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#237 Trevas



Leitura: João 13:23-30
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=cTwr02Shr3k

Esqueça o quadro "A Santa Ceia" de Leonardo Da Vinci. Naquela época e lugar as pessoas não se sentavam em cadeiras, e muito menos todas do mesmo lado da mesa. Elas sentavam-se no chão, em almofadas ou bancos baixos, diante de uma mesa também baixa. Sentado assim na diagonal, encontramos João reclinado sobre o peito de Jesus.

Pedro faz um sinal a João para que ele pergunte a Jesus quem seria o traidor. Jesus revela a João que o traidor é aquele a quem ele dará um pedaço de pão molhado, talvez em azeite ou no molho da refeição. Tudo indica que isso foi falado em voz baixa, pois ninguém mais escutou.

Existe um lugar onde podemos escutar melhor o que Jesus tem a nos dizer, e esse lugar é bem perto dele. Ali escutamos o que outros não escutam e entendemos o que outros não entendem. Todos na sala interpretam o gesto de Jesus como uma expressão de seu apreço por Judas, mas João sabe que é justamente o contrário.

Até aqui Judas andou segundo a influência de sua própria vontade e do diabo. A partir de agora o diabo passa a ter total controle sobre ele. O primeiro Salmo diz que é "bem-aventurado o homem que não anda segundo o conselho dos ímpios, nem se detém no caminho dos pecadores, nem se assenta na roda dos escarnecedores".

Perceba que existe um processo: andar, parar e sentar. Todo erro e transgressão começa quando escutamos os ímpios, e evolui ao nos determos em seus caminhos. Quando menos esperamos já estamos sentados em sua roda, como companheiro deles.

Não podemos evitar que o diabo nos influencie por meio de coisas, pessoas ou pensamentos, mas podemos evitar nos deter nessas coisas, pessoas ou pensamentos. Desvie um grau em sua rota e o ângulo irá abrir até lá na frente você acabar a quilômetros de seu destino original.

Ao acalentar pensamentos sugeridos pelo diabo, Judas acaba se tornando companheiro dele é totalmente dominado. Judas vira as costas para Jesus e sai da sala. Os discípulos acreditam que Jesus tenha dito a Judas para comprar algo ou dar algum dinheiro aos pobres. O versículo 27 diz que foi por Satanás ter entrado nele, e o 30 termina com estas significativas palavras: "E era já noite".

Quem volta as costas para a Luz tem diante de si apenas densas trevas. Se você decidir viver segundo o conselho dos ímpios - inclusive o seu próprio conselho - acabará sendo um instrumento do diabo sem perceber. Mas, se permanecer reclinado sobre o peito de Jesus, em íntima comunhão com ele, você descobrirá coisas que outros ignoram.

Nos próximos 3 minutos Jesus revela qual é a carteira de identidade de um verdadeiro discípulo.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#236 O falso apostolo



Leitura: João 13:18-22
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=jO_b4ceblus

Ao lavar os pés dos discípulos Jesus revela fazer isso porque apenas os seus pés precisavam ser limpos do contato com o mundo. No mais todos estavam limpos por terem sido gerados de novo pela Palavra de Deus. Exceto um: Judas.

Aqui vemos um apóstolo que recebeu privilégios iguais aos dos outros, porém em quem a água da Palavra não tem qualquer efeito. Judas andou com o Senhor, mas tinha outra agenda. Seu pensamento e propósito estavam focados no que ele poderia lucrar seguindo a Jesus.

O final do capítulo 6 deste evangelho deixa claro que Jesus o escolheu, mesmo sabendo qual seria a sua intenção: "Não vos escolhi a vós os doze? e um de vós é um diabo. E isto dizia ele de Judas Iscariotes, filho de Simão; porque este o havia de entregar, sendo um dos doze."

À semelhança daqueles descritos no capítulo 6 de Hebreus, Judas foi iluminado, provou o dom celestial, se fez participante do Espírito Santo, e provou a boa palavra de Deus e os poderes do mundo vindouro. Faltou crer, que é a condição essencial para ser salvo. Era impossível alguém assim ser renovado para o arrependimento.

Depois de lavar os pés de seus discípulos - inclusive de Judas - Jesus revela existir ali um traidor, para que os outros possam identificá-lo quando chegar a hora. Ele cita a profecia do Salmo 41, escrita mil anos antes: "Até o meu próprio amigo íntimo, em quem eu tanto confiava, que comia do meu pão, levantou contra mim o seu calcanhar".

Jesus diz: "Desde agora vo-lo digo, antes que aconteça, para que, quando acontecer, acrediteis que EU SOU". Ele usa novamente a expressão que Jeová usou ao se revelar a Moisés: "EU SOU". Trair a Jesus é trair o próprio Deus. Quem faz isso não fica impune.

Os discípulos nem imaginam quem é o traidor, e isso demonstra o quanto Judas era parecido com os outros apóstolos. Ninguém desconfiaria dele, como muitos hoje nem desconfiam dos lobos vestidos de cordeiro infiltrados nos templos e canais de rádio e TV.

Mas Jesus faz um alerta: "Quem receber aquele que eu enviar, a mim me recebe; e quem me recebe a mim, recebe aquele que me enviou". Por mais incrível que possa parecer, Judas havia sido enviado junto com os outros pelo próprio Senhor para pregar as boas novas.

Se você se recusa a crer em Jesus por causa dos picaretas que estão por aí pregando o evangelho, saiba que, para Deus, essa desculpa não cola. Você é convidado a crer em Jesus, o Salvador, e não em quem prega esse nome. Ao referir-se aos falsos pregadores, Paulo escreveu: "Mas que importa? Contanto que, de toda maneira, ou por pretexto ou de verdade, Cristo seja anunciado, nisto me regozijo".

Nos próximos 3 minutos o diabo entra em Judas.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#235 O lava-pes



Leitura: João 13:12-17
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=LdfLirjiGZQ

O versículo 12 revela que Jesus havia tirado suas vestes antes de se agachar para lavar os pés de seus discípulos. Veja o que diz: "Depois que lhes lavou os pés, e tomou as suas vestes, e se assentou outra vez à mesa, disse-lhes: Entendeis o que vos tenho feito?".

Nenhum de nós teria sido salvo se Jesus não tivesse tirado suas vestes celestiais para descer ao mundo e dar a vida por nós. Ao lavar os pés de seus discípulos Jesus mostra isso e também nos deixa um exemplo.

Vivemos hoje na condição de Laodicéia, o último estado da igreja em Apocalipse 3. "Sou rica e bem sucedida", diz ela, "e não preciso de coisa alguma". E realmente assim é, se considerarmos os números, os templos e as realizações daquilo que é identificado como cristandade. Mas o Senhor a chama de infeliz, miserável, pobre, cega e nua, e ainda aconselha que compre ouro provado ao fogo, roupas limpas para cobrir sua nudez, e colírio para poder enxergar.

Volta e meia aqueles discípulos eram flagrados comparando-se uns aos outros para ver qual deles ganharia um lugar de destaque, ao lado de Jesus. Agora eles entendem que, se quiserem ocupar um lugar ao lado de Jesus nesta vida, terão de se agachar e lavar pés encardidos.

"Ora, se eu, Senhor e Mestre, vos lavei os pés, vós deveis também lavar os pés uns aos outros. Porque eu vos dei o exemplo, para que, como eu vos fiz, façais vós também. Na verdade, na verdade vos digo que não é o servo maior do que o seu senhor, nem o enviado maior do que aquele que o enviou".

Você não precisa de muito colírio para enxergar que Jesus não está falando de água e sabão. Ele não está instituindo um ritual, mas mostrando o espírito com o qual devemos agir uns para com os outros. Quando você vê altos dignitários do mundo religioso, ricamente vestidos e literalmente lavando os pés de seus seguidores, pode ter certeza de que não é disso que Jesus está falando aqui.

Já vimos que a água é uma figura da Palavra de Deus; que todo aquele que é nascido de novo foi gerado por essa mesma "água" e está limpo aos olhos de Deus, e que nossos pés ficam sujos pelo contato com a degradação do mundo. Vimos também que Jesus desceu ao mais baixo para nos abençoar. E então, como abençoar nossos irmãos? Lavando seus pés com uma bacia e um pouco de água?

Jesus nos ensina a nos diminuirmos diante de nossos irmãos, e aplicarmos neles a revigorante Palavra de Deus. Todas as vezes que você leva uma palavra de exortação, consolo ou edificação a alguém, em um espírito de humildade e mansidão, está praticando o lava-pés.

Mas existe uma grande diferença entre ter os pés lavados e levantar o calcanhar contra Jesus. É o que veremos nos próximos 3 minutos.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#234 Sangue e água



Leitura: João 13:4-11
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ZJIbLiDe0BY

Na cena da crucificação, o soldado fere com a lança o corpo morto de Jesus, e dali saem sangue e água. O sangue nos limpa da culpa do pecado, e a água representa a purificação da corrupção que o pecado causa em nós. Já ouviu falar do hino "Rocha Eterna"? No original inglês seu autor expressou muito bem o que chamou de "dupla cura". Numa tradução literal, a primeira estrofe diz algo assim:

"Rocha Eterna, ferida por mim, quero refugiar-me em Ti. Que a água e o sangue, do Teu lado ferido, me sirvam de dupla cura; salvando-me da ira e purificando-me do pecado".

O apóstolo João, em sua primeira carta, diz que "o sangue de Jesus nos purifica de todo o pecado". Hebreus 9 diz que o sangue purifica nossas consciências. Hebreus 10 diz para nos aproximarmos de Jesus "com verdadeiro coração, em inteira certeza de fé, tendo os corações purificados da má consciência, e o corpo lavado com água limpa".

Vamos voltar agora à cena da lavagem dos pés. Ao chegar a vez de Pedro ter seus pés lavados, ele se recusa, dizendo, "Nunca me lavarás os pés". Mas a resposta do Senhor o faz mudar de ideia: "Se eu te não lavar, não tens parte comigo". A expressão "parte comigo" tem o sentido de andar junto com Jesus.

Imediatamente Pedro muda de ideia e vai ao outro extremo: "Senhor, não só os meus pés, mas também as mãos e a cabeça". A resposta de Jesus nos ensina muita coisa: "Aquele que está lavado não necessita lavar senão os pés, pois no mais todo está limpo".

No Antigo Testamento o sacerdote era lavado uma vez da cabeça aos pés, quando era consagrado para o sacerdócio e o serviço no Templo. Depois disso ele precisava lavar apenas os pés e as mãos para entrar na presença de Deus. Jesus diz a Pedro que ele já está limpo, exceto os pés, e o mesmo vale para você, se já tiver nascido "da água e do Espírito".

Pedro aprendeu a lição, pois mais tarde em sua epístola ele escreve que "somos de novo gerados... pela Palavra de Deus". A "água" da Palavra não apenas nos infunde vida ao nascermos de novo, mas também nos deixa limpos para estarmos na presença de Deus. Porém, o contato com o mundo exige que tenhamos, por assim dizer, os pés lavados pela mesma Palavra. Ela ajuda a tirar a poeira do mal que gruda em nós, daí a importância de lavarmos os pés uns dos outros com a Palavra.

Mas, ao dizer que os discípulos só precisavam lavar os pés por já estarem limpos, Jesus acrescenta: "Mas não todos". Entre eles existe um homem em quem a Palavra de Deus não tem qualquer efeito; Judas ainda está sujo. E você, precisa ter apenas os pés lavados ou ainda está em sua condição original, sujo aos olhos de Deus?

Nos próximos 3 minutos veremos como cada um pode lavar os pés de seu irmão.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#233 O que a agua faz



Leitura: João 13:4-11
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=GU2qeNXuEyg

Lavar os pés era um ritual comum entre os judeus que voltavam da rua ou entravam na casa de alguém. As pessoas andavam descalças ou de sandálias em ruas de terra, e os pés ficavam bem sujos. O costume de lavar os pés tinha um caráter bastante prático.

Além disso, lavar os pés de um visitante era também uma forma de expressar boas maneiras, mas entre os ricos isso era feito por um escravo, não pelo próprio dono da casa. Ao lavar os pés de seus discípulos, Jesus desce à posição de um mero servo e lhes ensina uma lição: "como eu vos fiz, façais vós também".

A lição é óbvia, mas o significado da passagem toda nem tanto. Primeiro, quem está lavando os pés dos discípulos? O mesmo Jesus que saiu de Deus e em breve voltaria para Deus. Ele desceu de uma posição tão elevada, que homem algum poderá jamais alcançar. Jesus não apenas desceu do céu, para onde promete levar os salvos; Efésios 4 diz que ele subiu "acima de todos os céus", seu lugar de origem.

Paulo explica assim a ressurreição e ascensão de Jesus: "Ora, isto - ele subiu - que é, senão que também antes tinha descido às partes mais baixas da terra? Aquele que desceu é também o mesmo que subiu acima de todos os céus, para cumprir todas as coisas".

Percebe a extensão do que Jesus fez? E, no entanto, aqui vemos esse Ser eterno e sublime pondo-se abaixo dos pobres e mortais discípulos. Muito em breve ele iria descer ainda mais: sofreria o terror de uma eternidade de juízo infernal condensada nas três horas de trevas que passou na cruz, antes de entregar sua vida e descer à sepultura.

Para você entender o que vai acontecer agora, é preciso lembrar que a Palavra de Deus é às vezes representada pela água, e o Espírito Santo pela figura de um servo. Efésios 5:24 nos fala de purificação por meio "da lavagem da água, pela Palavra". Em João 2 os vasos de pedra são enchidos de água pelos servos, a qual é transformada em vinho por Jesus. Vasos, água, servos e vinho, simbolizam, respectivamente, pessoas, a Palavra de Deus, o Espírito Santo e vida com alegria.

Ao conversar com Nicodemos no capítulo 3, Jesus diz que ele precisa nascer de novo, da água e do Espírito. De que água você acha que ele está falando ali? Certamente não do batismo, que não tem poder de transformar uma vida, mas da Palavra de Deus que é transformada em vida, pela ação do Espírito, naquele que a recebe.

Assim como a água tem o poder de limpar os pés, a Palavra de Deus também tem um poder purificador. Mas você deve estar confuso, pois aprendeu que somos limpos pelo sangue de Jesus.

Nos próximos 3 minutos vamos entender o lugar que ocupam o sangue e a água na purificação do pecador.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#232 Da gloria para a gloria



Leitura: Filipenses 2:6-11
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=dFD06DO9CxQ

Para entender o que diz o versículo 3 do capítulo 13 de João - que Jesus "havia saído de Deus e ia para Deus" - veja o que Paulo escreveu aos Filipenses. "Jesus, sendo em forma de Deus, não teve por usurpação ser igual a Deus". Outra tradução diz "não considerou que o ser igual a Deus era algo a que devia apegar-se". O que significa?

Jesus foi, é, e sempre será Deus em todos os aspectos da sua Pessoa. Este é o significado de ser igual. Mas é preciso distinguir entre a pessoa e a posição que ocupa. Para nos salvar, Jesus não considerou que a posição que ocupava na glória era algo de que não poderia abrir mão. Assim ele deixou a posição que ocupava, sem deixar de ser quem sempre foi: o "verdadeiro Deus", como diz João em sua epístola. 1 Jo 5:20

Ao chegar em casa um policial tira seu uniforme, despindo-se de sua posição oficial sem perder sua natureza humana. Ao vir ao mundo na condição de homem, Jesus despiu-se de sua posição excelsa para assumir a posição de um servo, porém sem perder sua natureza divina.

Se você leu o clássico "O príncipe e o mendigo" irá entender que o príncipe em momento algum deixou de ser quem ele era. Ele apenas desceu momentaneamente de sua posição real ao trocar de roupa com um mendigo. Ao assumir a posição de um mendigo ele precisou se submeter às autoridades que antes estavam sob seu comando.

É por isso que vemos Jesus dizer, no capítulo 14 do evangelho João, "o Pai é maior do que eu", mas no capítulo 10, "eu e o Pai somos um". Ao assumir o papel de homem, Jesus, o Filho eterno, ficou durante trinta e poucos anos numa posição hierárquica inferior ao Pai, mas sem deixar de ser Deus. Era só assumindo a condição humana que ele podia descer à morte no lugar do pecador.

Por isso a passagem em Filipenses continua dizendo que Jesus "...esvaziou-se a si mesmo, tomando a forma de servo, fazendo-se semelhante aos homens; e, achado na forma de homem, humilhou-se a si mesmo, sendo obediente até à morte, e morte de cruz".

Repare que aquele que "saiu de Deus" desceu 7 passos: (1) Não se apegou à sua posição, (2) esvaziou-se, (3) tomou a forma de servo, (4) fez-se semelhante aos homens, (5) humilhou-se, (6) foi obediente até à morte, e (7) morte de cruz. Então, ao voltar à sua posição original na glória, agora como Deus e Homem, nós o vemos subindo 7 passos:

"(1) Deus o exaltou soberanamente... (2) lhe deu um nome que é sobre todo o nome, para que ao nome de Jesus se dobre todo o joelho dos que estão (3) nos céus, (4) na terra, e (5) debaixo da terra, e (6) toda a língua confesse que Jesus Cristo é o Senhor, (7) para glória de Deus Pai".

Nos próximos 3 minutos vamos falar um pouco de água.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#231 Um por todos



Leitura: João 13:1-3
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=vPmPgXx-ZG0

O capítulo 13 começa falando do amor que Jesus tinha por seus discípulos, e continuaria tendo até terminar o que veio fazer aqui. Costumamos ler a Bíblia para encontrar nela o que devemos fazer para Deus, quando o seu principal objetivo é mostrar o que Deus fez por nós.

No versículo 3 Jesus diz que sabia "que o Pai tinha depositado nas suas mãos todas as coisas, e que havia saído de Deus e ia para Deus". Acaso você conhece mais alguém em cujas mãos Deus tenha depositado todas as coisas? Se Deus colocou nas mãos de Jesus todas as coisas, isso inclui também o destino do mundo e das pessoas. E você é uma delas.

Jesus veio ao mundo com dois objetivos em mente. Um foi o de resolver a questão do pecado que arruinou a Criação e poderia manchar a reputação de Deus. A glória de Deus estava em jogo, e isso precisava ser resolvido. Neste sentido amplo de sua morte, Jesus é o Cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo pelo sacrifício de si mesmo.

O outro objetivo era salvar você por intermédio do mesmo sacrifício. Entenda que o Cordeiro de Deus morreu para tirar o pecado do mundo, e a palavra pecado aqui é singular. Mas ele morreu também para levar sobre si os pecados daqueles que creem nele, e pecados aqui é plural. A obra de Cristo é universal, mas o perdão é individual. Somente os que creem em Jesus podem desfrutar do perdão de seus pecados.

Você pode alegar que nem existia quando Adão pecou, mas você herdou o pecado mesmo assim. Como se fosse a herança maldita recebida de um avô traficante, você tem feito saques frequentes da droga que ele deixou enterrada em seu quintal. Todos os dias você peca. O que fará quando lhe pedirem conta disso? Dirá que é inocente?

Mas veja que você também não existia quando Jesus morreu, e agora pode receber os benefícios daquele sacrifício. Assim como o pecado e a morte vieram por um só homem, a ressurreição e a vida podem ser suas graças a um só homem. Por uma só ofensa veio o juízo a todos os homens, mas por um só ato de justiça veio a graça para quem quiser. Por causa da desobediência de um, muitos foram feitos pecadores, mas pela obediência de um, muitos serão feitos justos.

A morte de Jesus pagando o preço por seus pecados aconteceu há dois mil anos, mas perdão de seus pecados você recebe no momento em que crê em Jesus. Na cruz ele "morreu por todos", porém pagou "o pecado de muitos". O que isto significa? Que nem todos serão salvos, mas apenas os muitos que crerem nele. Na parábola do tesouro escondido no campo o homem compra o campo inteiro, só por causa do tesouro escondido nele. Se você crê em Jesus, você faz parte desse tesouro.

Nos próximos 3 minutos vamos entender melhor quem é este que saiu de Deus e agora estava prestes a voltar para Deus.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#230 Os 7 milagres



Leitura: João 13:1
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=395jSVzSJZY

Até o capítulo 12 do evangelho de João vimos Jesus enfrentando a incredulidade dos judeus. O capítulo 13 é um divisor de águas. Jesus aparece literalmente um andar acima desse cenário de incredulidade. Nós o encontramos, antes da Páscoa, jantando com seus discípulos num cenáculo, que era o andar superior de uma casa.

Até aqui Jesus efetuou sete sinais ou milagres que também servem para mostrar como ele liberta o pecador e o coloca neste andar superior de comunhão com ele. O primeiro foi ao transformar água em vinho numa festa de casamento. Se você evita Jesus por achar que ele é um estraga prazeres, por que você acha que resolveu o problema da falta de vinho? Ele quer transformar a água da Palavra de Deus no vinho da alegria em seu coração. O Salmo 104 diz que "o vinho alegra o coração do homem".

Depois vimos Jesus curando o filho de um nobre. Nobreza, riqueza e fama não são garantias de uma vida sem problemas. Visite um hospital ou cemitério e verá que neles há ricos e pobres, chefes e subordinados, famosos e anônimos. Só Jesus pode resolver aquilo que dinheiro e posição não podem: curar você de seu pecado, que é a verdadeira causa da morte e da perdição.

Em seguida nós o vimos à beira do tanque de Betesda curando um homem incapaz de se mover. Como aquele paralítico, você é incapaz de se aproximar um centímetro sequer da cura de sua alma. É Jesus quem encontra você e o liberta, como fez com o homem à beira do tanque.

No capítulo 6 ele alimentou cinco mil pessoas famintas e necessitadas. É só em Jesus que você encontra o alimento e a energia para sua vida diária. Cristo é o pão do céu. No mesmo capítulo encontramos os discípulos em meio às ondas de um mar revolto. "Não temais", diz ele. Oras, não são estas as palavras que você gostaria de ouvir quando as tempestades desta vida parecem querer acabar com você?

O cego de nascença passou a ver no capítulo 9. É impossível você enxergar o mundo espiritual a menos que seja tocado pelo poder de Cristo. Ele pode tirar a venda que o impede de enxergar a formosura de um Salvador que deu sua vida para tirar você das trevas.

Finalmente, o sétimo milagre foi o morto Lázaro sair vivo da sepultura. A Bíblia diz que estamos mortos em "ofensas e pecados". O que um morto pode fazer por si mesmo? Absolutamente nada. Então por que você tem tentado fazer algo para se salvar? Lembre-se de uma vez por todas: o que precisava ser feito Jesus já fez. Você só precisa crer nisso.

Nos próximos 3 minutos Jesus lava os pés de seus discípulos.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.