"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Rádio 3 Minutos

Pesquisar este blog

#748 Um Deus de decencia e ordem



Leitura: Marcos 6:39-44

“Então Jesus ordenou que fizessem todo o povo assentar-se em grupos na grama verde. Assim, eles se assentaram em grupos de cem e de cinquenta.” (Mc 6:39-40). Existe ordem e tranquilidade na maneira como o Senhor ordena que o alimento seja distribuído, e isso vale também para o Evangelho. Ao contrário das religiões pagãs, com suas gritarias, rodopios e manifestações barulhentas, a pregação do Evangelho não precisa de subterfúgios emocionais, e muito menos de agressividade que espante os que a escutam. Ao instruir os irmãos em Corinto de como deviam ser suas reuniões, Paulo ordenou que tudo fosse feito “com decência e ordem... pois Deus não é Deus de desordem, mas de paz.”  (1 Co 14:40, 33).


Na Lei havia uma ordenança curiosa: “Não cozinhem o cabrito no leite da própria mãe” (Êx 23:19). Estaria Deus preocupado com cabritos? O sentido era de não usar como instrumento de morte aquilo que era designado para dar vida, no caso o leite. Por isso jamais deveríamos utilizar a Palavra de Deus como forma de agressão, criando barreiras para as pessoas a escutarem. Mais tarde o Senhor repreenderia a Pedro por usar da espada para cortar a orelha do servo do sumo sacerdote. Ora, se você usa a Palavra de Deus de modo a causar um bloqueio nas pessoas que deveriam ouvi-la, você não está usando corretamente essa “espada”.

Se você estranhou minha interpretação da ordenança do cabrito, lembre-se de que o apóstolo Paulo citou também outro preceito da Lei sobre animais: “Está escrito na Lei de Moisés: ‘Não amordace o boi enquanto ele estiver debulhando o cereal’. Por acaso é com bois que Deus está preocupado? Não é certamente por nossa causa que ele o diz? Sim, isso foi escrito em nosso favor” (1 Co 9:9-10). Na sequência Paulo ensina que aquilo fora dito como figura de como os irmãos deveriam reconhecer os que estavam empenhados na obra do evangelho e ajudá-los em seu sustento.


Isso estabelece um princípio de como interpretar o Antigo Testamento pela realidade e contexto do Novo Testamento. Por não entenderem isso muitos pregam um falso evangelho de ordenanças da Lei e cerimônias do judaísmo como forma de se obter a salvação. Contra esses Paulo alertou os crentes em Colossos:  “Não permitam que ninguém os julgue pelo que vocês comem ou bebem, ou com relação a alguma festividade religiosa ou à celebração das luas novas ou dos dias de sábado. Estas coisas são sombras do que haveria de vir; a realidade, porém, encontra-se em Cristo.” (Cl 2:16-17). 


(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#747 Dia de boas noticias



Leitura: Marcos 6:39

“Então Jesus ordenou que fizessem todo o povo assentar-se em grupos na grama verde.” (Mc 6:39-44). A referência à grama verde representa descanso, como no Salmo 23:2: “Em verdes pastagens me faz repousar”. É nesse espírito pacífico que o Senhor deseja que compartilhemos do Pão da Vida — Cristo — com a humanidade faminta. O Salmo 145:16 confirma: “Abres a tua mão e satisfazes os desejos de todos os seres vivos.”. Quem um dia foi beneficiado com a bendita mensagem do Evangelho deveria estar disposto a compartilhar daquilo que recebeu. Um exemplo magnífico disso você encontra no livro de 2 Reis.

No capítulo 6 é contada a história de Samaria, cidade sitiada pelo inimigo por tanto tempo que a população já estava sem alimentos e fazendo o inimaginável para sobreviver. Um exemplo da fome e desespero deles é a mulher que reclama ao rei de sua amiga: “Esta mulher me disse: ‘Vamos comer o seu filho hoje, e amanhã comeremos o meu’. Então cozinhamos o meu filho e o comemos. No dia seguinte eu disse a ela que era a vez de comermos o seu filho, mas ela o havia escondido.” (2 Rs 6:28-29).

Enquanto isso, do lado de fora da cidade quatro leprosos decidem tentar a sorte no acampamento inimigo, já resignados de que de um jeito ou de outro acabarão morrendo. Dizem eles: “Por que ficar aqui esperando a morte? Se resolvermos entrar na cidade, morreremos de fome, mas se ficarmos aqui, também morreremos. Vamos, pois, ao acampamento dos arameus para nos render. Se eles nos pouparem, viveremos; se nos matarem, morreremos.”. Para surpresa deles encontram o acampamento vazio e abandonado. “O Senhor tinha feito os arameus ouvirem o ruído de um grande exército com cavalos e carros de guerra” e os soldados fugiram apavorados, deixando tudo para trás. (2 Rs 7:4-6).

Os quatro leprosos “comeram e beberam; pegaram prata, ouro e roupas e saíram para esconder tudo. Depois voltaram e entraram noutra tenda, pegaram o que quiseram e esconderam isso também. Então disseram uns aos outros: ‘Não estamos agindo certo. Este é um dia de boas notícias, e não podemos ficar calados... Vamos imediatamente contar tudo no palácio do rei’.” (2 Rs 7:9). Esta deveria ser também a disposição dos que foram salvos por Cristo, a de compartilhar desse Pão da Vida que receberam de graça. A ordem de Jesus para que seus discípulos alimentem a multidão tem a ver com esse privilégio que todo cristão tem de compartilhar do Evangelho enquanto ainda é “dia de boas notícias”, antes que a vinda de Jesus para buscar os seus encerre essa oportunidade.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.

Total de visualizações de página