"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Rádio 3 Minutos

Pesquisar este blog

#777 A massa inchada


Leitura: Marcos8:13-15

Depois de deixar os fariseus incrédulos de mãos abanando, sem fazer milagres sob encomenda e com hora marcada, Jesus “se afastou deles, voltou para o barco e atravessou para o outro lado. Os discípulos haviam se esquecido de levar pão, a não ser um pão que tinham consigo no barco. Advertiu-os Jesus: ‘Estejam atentos e tenham cuidado com o fermento dos fariseus e com o fermento de Herodes’.” (Mc 8:13-15).

Fermento na Bíblia nunca é algo positivo. O fermento se espalha, contamina e corrompe. Quem interpreta a parábola da massa fermentada de Mateus 13 como um crescimento positivo do cristianismo no mundo perde o ponto. “O Reino dos céus é como o fermento que uma mulher tomou e misturou com uma grande quantidade de farinha, e toda a massa ficou fermentada.” (Mt 13:33). Foi a má doutrina que a fez crescer.

Deus não escolhe coisas grandes, ele escolhe “as coisas fracas do mundo... as coisas insignificantes... as desprezadas e as que nada são, para reduzir a nada as que são, para que ninguém se vanglorie diante dele.” (1 Co 1:27-29). E em Apocalipse, depois do arrebatamento da verdadeira igreja composta dos genuínos salvos, Cristo julgará a falsa igreja, chamando-a de “grande Babilônia... grande cidade... grande prostituta...” (Ap 14:8; 16:19; 19:2 etc.). Ela é grande em riqueza, poder e influência no mundo.

Se você é daqueles que se impressionam com grandes templos, grandes multidões, grande prosperidade e grandes líderes segurando cajados de ouro e pedras preciosas, ou vestindo ternos caros e viajando de helicópteros e jatos executivos, saiba que está na contramão de Deus. Nas sete cartas às igrejas em Apocalipse apenas duas não são repreendidas, e são justamente as desprezíveis aos olhos do mundo: Esmirna e Filadélfia.

A primeira representa o período de pior perseguição, tortura e miséria, quando o Senhor demonstra conhecer “as suas aflições e a sua pobreza” (Ap 2:9). A segunda é identificada como aquela que “tem pouca força, mas guardou a minha palavra e não negou o meu nome.” (Ap 3:8). No outro extremo está Laodiceia, representando o último período da cristandade na terra. Ela está inchada do fermento da má doutrina, que lhe dá uma posição invejável no mundo, mas causa ânsia de vômito no Senhor. “Estou rica, adquiri riquezas e não preciso de nada. Não reconhece, porém, que é miserável, digna de compaixão, pobre, cega e que está nua... Estou a ponto de vomitá-lo da minha boca [diz o Senhor]” (Ap 3:16-17).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.

Total de visualizações de página