"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Rádio 3 Minutos

Pesquisar este blog

#785 Humilhacao


Leitura: Marcos 8:22-26

A primeira providência do Senhor quando lhe levaram um cego foi tirar o homem da aldeia. Isto pode não fazer muito sentido para quem não entende que Deus tinha rejeitado os judeus e seu sistema de adoração, depois que aquele povo rejeitou completamente o Messias e Rei de Israel que lhes fora enviado. “Eles foram para Betsaida, e algumas pessoas trouxeram um cego a Jesus, suplicando-lhe que tocasse nele. Ele tomou o cego pela mão e o levou para fora do povoado.” (Mc 8:22-23).

Para entender melhor precisamos ir ao Evangelho de Mateus: “Ai de você, Corazim! Ai de você, Betsaida! Porque se os milagres que foram realizados entre vocês tivessem sido realizados em Tiro e Sidom, há muito tempo elas se teriam arrependido, vestindo roupas de saco e cobrindo-se de cinzas. Mas eu lhes afirmo que no dia do juízo haverá menor rigor para Tiro e Sidom do que para vocês.” (Mt 11:21-22).

Jesus não iria dar a Betsaida o gostinho de observar um sinal, pois já tinha feito ali muitos sinais e milagres, e mesmo assim fora rejeitado. Era a mesma aldeia da qual Jesus tirou o cego para ser curado e depois lhe disse: “Não entre no povoado” (Mc 8:23). Se eu e você morássemos em Betsaida ficaríamos indignados com essa discriminação. Mas Deus discrimina sim os que rejeitam a salvação que ele oferece graciosamente pela fé na Pessoa de Cristo, que morreu numa cruz para levar os nossos pecados.

A história do cego teria sido bem outra se ele não se deixasse levar por aqueles que estavam preocupados com sua cegueira para Jesus lhe abrir os olhos. Ele não teria sido curado se fincasse o pé na aldeia que representava todo o sistema que virou as costas para o Messias e Rei de Israel. Tampouco  se achasse humilhante o método do Senhor, de cuspir em seu rosto. Ele continuaria cego se ficasse julgando os métodos de Deus, ao invés de se render como um inválido incapaz nas mãos de Jesus.

A humilhação, que muitos acham que é aceitar um convite para escutar o Evangelho e se reconhecer pecador, é uma barreira para a salvação. Nosso ego não gosta de ter de engolir tudo o que acreditamos e defendemos a vida inteira, inclusive uma religião que pensávamos ser capaz de nos levar ao céu. Religião nenhuma pode fazer isso, pois a salvação está numa Pessoa, em Jesus. Só crendo nele seus olhos são abertos e você deixará de enxergar homens — sejam eles sacerdotes ou pastores, como grandes coisas, como “árvores andando” (Mc 8:24).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#784 Escrituras, olhos e entendimento


Leitura: Marcos 8:22-26

O Senhor restaura a vista do cego do capítulo 8 de Marcos e quer fazer o mesmo com você. A pregação do Evangelho leva os cegos a Jesus do mesmo modo como “algumas pessoas trouxeram um cego a Jesus, suplicando-lhe que tocasse nele.” (Mc 8:22). E quando alguém é levado a Cristo, passa por um processo como aquele de Lucas 24, quando os discípulos que viajavam de Jerusalém em direção a Emaús se encontraram com o Senhor e não o reconhecem. Apesar de terem andado com ele, como muitos nas religiões cristãs, eles ainda estavam cegos espiritualmente.

Nesse encontro o Senhor abre três coisas. Primeiro, ele abre as Escrituras: “E começando por Moisés e todos os profetas, explicou-lhes o que constava a respeito dele em todas as Escrituras.” (Lc 24:27). Mais tarde eles iriam dizer: “Não estavam ardendo os nossos corações dentro de nós, enquanto ele nos falava no caminho e nos expunha as Escrituras?” (Lc 24:32). O contato com as Escrituras leva Espírito Santo a incutir vida na pessoa espiritualmente cega e morta e, uma vez tendo vida, ela sente o peso de seus pecados e a necessidade de perdão e salvação.

Alguém que tenha nascido de novo pela aplicação da água da Palavra pelo Espírito não quer mais ficar longe de Jesus. Por isso os dois homens “insistiram muito com ele: ‘Fique conosco, pois a noite já vem; o dia já está quase findando’. Então, ele entrou para ficar com eles. Quando estava à mesa com eles, tomou o pão, deu graças, partiu-o e o deu a eles. Então os olhos deles foram abertos e o reconheceram, e ele desapareceu da vista deles.” (Lc 24:29-31). Primeiro as Escrituras lhes foram abertas, agora Jesus abriu seus olhos para o reconhecerem.

O que acontece em seguida? O Senhor desaparece! Eles já não precisavam ver para crer, pois agora podiam andar por fé. Os mesmos que disseram a Jesus para ficar com eles, porque era tarde e viajar à noite seria perigoso, voltam correndo para Jerusalém mesmo sendo noite. Era lá que o Senhor havia marcado um encontro depois que ressuscitasse. Eles estão contando do encontro que tiveram com Jesus, quando o próprio Senhor aparece no meio deles e tira deles todo temor, ao dizer: “Paz seja com vocês”. Ali ele abre uma terceira coisa: “Então lhes abriu o entendimento, para que pudessem compreender as Escrituras.” (Lc 24:36, 45).

São estas as etapas pelas quais passa um pecador salvo por Cristo, quando lhe são abertas as Escrituras, os olhos da fé e o entendimento.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#783 Saiamos!


Leitura: Marcos8:22-26

Depois de cuspir no rosto do cego, “Jesus perguntou: ‘Você está vendo alguma coisa?’ Ele levantou os olhos e disse: ‘Vejo pessoas; elas parecem árvores andando’.” (Mc 8:23). O resultado do contato da saliva com os olhos do homem foi receber uma visão parcial e enxergar os homens como árvores, mais altas que seres humanos. Esta era uma visão natural, aquela que o homem cego tinha na religião judaica, onde homens são reputados como grandes numa hierarquia que incluía sacerdotes e profetas no topo.

Só depois de separar o homem de sua aldeia e mostrar a ele como é enxergar as coisas do ponto de vista do homem natural, Jesus lhe dá uma visão clara e completa. “Mais uma vez, Jesus colocou as mãos sobre os olhos do homem. Então seus olhos foram abertos, e sua vista lhe foi restaurada, e ele via tudo claramente. Jesus mandou-o para casa, dizendo: ‘Não entre no povoado!’” (Mc 8:25-26).

Na carta aos Hebreus o Espírito Santo mostra que o cristão não tem mais nada a ver com a velha ordem judaica de templos, sacerdotes e altares. Se Jesus é o mesmo,  o modo de se adorar nesta nova ordem de coisas mudou. “Não se deixem levar pelos diversos ensinos estranhos. É bom que o nosso coração seja fortalecido pela graça, e não por alimentos cerimoniais, os quais não têm valor para aqueles que os comem.” (Hb 13:8-9). Os ensinos da Lei, que regulavam até mesmo alimentos, podiam estar corretos em seu contexto, mas são “ensinos estranhos” na atual dispensação.

“Temos um altar do qual não têm direito de comer os que ministram no tabernáculo. O sumo sacerdote leva sangue de animais até o Santo dos Santos, como oferta pelo pecado, mas os corpos dos animais são queimados fora do acampamento. Assim, Jesus também sofreu fora das portas da cidade, para santificar o povo por meio do seu próprio sangue. Portanto, saiamos até ele, fora do acampamento, suportando a desonra que ele suportou. Pois não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir. Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome.” (Hb 13:10-15).

Ao ser levado fora do arraial Jesus rompeu com a velha ordem de coisas e agora busca adoradores com vocação celestial. Infelizmente a maior parte das religiões cristãs não entende isso e continua aferrada aos símbolos e figuras da antiga dispensação, com seus templos, sacerdotes e cerimoniais.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#782 Uma cusparada


Leitura: Marcos8:22-26

Jesus “tomou o cego pela mão e o levou para fora do povoado. Depois de cuspir nos olhos do homem e impor-lhe as mãos, Jesus perguntou: ‘Você está vendo alguma coisa?’ Ele levantou os olhos e disse: ‘Vejo pessoas; elas parecem árvores andando’.  Mais uma vez, Jesus colocou as mãos sobre os olhos do homem. Então seus olhos foram abertos, e sua vista lhe foi restaurada, e ele via tudo claramente. Jesus mandou-o para casa, dizendo: ‘Não entre no povoado!’.” (Mc 8:22-26).

Depois de levar o cego para fora do povoado, simbolicamente separando-o de tudo o que podia representar o sistema dos judeus, Jesus cospe em seus olhos e lhe impõe as mãos. Já pensou no que realmente significa levar uma cusparada no rosto? Acredito que em qualquer tempo e lugar isso seria um ato ofensivo, nada politicamente correto. Mas é assim que Deus começa a tratar com uma alma, quebrando seu amor próprio para ficar totalmente à mercê dele. Se você acha que pode ser curado de seus pecados por alguma virtude sua, ainda não entendeu que é só quando você reconhecer sua total cegueira e incapacidade que Cristo poderá agir em você.

Isto nos remete à conversa de Jesus com Nicodemos no Evangelho de João: “Ninguém pode entrar no Reino de Deus, se não nascer da água e do Espírito.” (Jo 3:5). Se alguém ensinou você que a “água” à qual Jesus se referia era a do batismo, ensinou errado. Nenhuma água tem poder de gerar vida como no novo nascimento. Somente água saída de Jesus —representada pela saliva em nosso capítulo — tem o poder de purificar e criar uma nova vida. Essa “água” é a Palavra de Deus. Quando o Espírito Santo aplica a água da Palavra em alguém essa pessoa, antes morta em delitos e pecados, recebe uma injeção de vida. Agora ela poderá sentir o peso de seus pecados e clamar a Deus por salvação. Antes disso não.

Essa “água” santificadora aparece em Efésios: “Cristo amou a igreja e entregou-se a si mesmo por ela para santificá-la, tendo-a purificado pelo lavar da água mediante a palavra.” (Ef 5:25-26). Foi essa “água” que trouxe o Universo à existência, “há muito tempo, pela palavra de Deus, existiam céus e terra, esta formada da água e pela água.” (2 Pe 3:5). E o mesmo Pedro a compara a uma semente geradora de nova vida: “Pois vocês foram gerados de novo, não de uma semente perecível, mas imperecível, por meio da palavra de Deus, viva e permanente.”(1 Pe 1:23). E não se esqueça de que, quando “um dos soldados perfurou o lado de Jesus com uma lança, e logo saiu sangue e água.” (Jo 19:34).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#781 Que tal levar alguem a Jesus?


Leitura: Marcos8:22-26

A cura do cego neste capítulo de Marcos passa etapas. Primeiro, “algumas pessoas trouxeram um cego a Jesus, suplicando-lhe que tocasse nele” (Mc 8:22). Isto mostra como Deus pode nos usar para levar pecadores a Cristo para serem curados de seus pecados. No capítulo 8 do Evangelho de João o paralítico no tanque de Betesda queixa-se de não ter quem o ajude a chegar à água. Ele diz a Jesus: “Senhor, não tenho ninguém que me ajude a entrar no tanque quando a água é agitada. Enquanto estou tentando entrar, outro chega antes de mim”. (Jo 5:7). Triste condição de muitos.

Em um mundo com tantos cegos e paralíticos espirituais, quão importante é levar alguns a Jesus. A desculpa de quem diz não ter dom de evangelista não justifica. Existe mais de uma maneira de apresentar o evangelho a alguém, especialmente com a tecnologia que temos na ponta dos dedos. Além dos folhetos impressos, muito usados por Deus para alcançar pessoas em diferentes lugares e situações, hoje qualquer um pode evangelizar nas redes sociais compartilhando um texto, áudio ou vídeo que fale do Evangelho. Se você se sente inseguro para falar, deixe que eu fale por você: compartilhe qualquer material meu que é de graça.

Uma vez o gerente de um hotel contou que viu uma hóspede distribuindo CDs de áudio de “O Evangelho em 3 Minutos” às pessoas em volta da piscina. Outros fazem isso com motoristas de caminhão, que ficam felizes por ter algo para ouvir em suas viagens. Um que se converteu depois de escutar uma mensagem numa rádio comunitária, outro depois de comprar um DVD pirata com meus vídeos em um camelô. DVD pirata?! Sim, e eu ficaria feliz se você e outros copiassem e distribuíssem meu material, não para obter lucro, mas para glorificar a Deus. Afinal foi assim que o Senhor Jesus ensinou: “De graça recebestes, de graça dai.” (Mt 10:8).

Timóteo talvez não fosse evangelista, e Paulo o exorta a fazer a obra de um. “Você, porém, seja sóbrio em tudo, suporte os sofrimentos, faça a obra de um evangelista” (2 Tm 4:5). Cristãos estavam sendo mortos em toda parte e os que mais se expunham eram os evangelistas, vistos como ameaça por judeus e pagãos. O próprio Paulo tinha feito isso: “Lancei muitos santos na prisão, e quando eles eram condenados à morte eu dava o meu voto contra eles.” (At 26:10). Então quando ele menciona os “que se batizam pelos mortos” (1 Co 15:29), está falando daqueles que, através do batismo e da exposição pública de sua fé, empunhavam a bandeira e assumiam o posto dos que tinham tombado na linha de frente.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#780 Semicegos


Leitura: Marcos8:18-22

Jesus pergunta aos discípulos: “Vocês têm olhos, mas não veem?” (Mc 8:18). Apesar de andarem com Jesus, eles ainda não entendem quem ele realmente é. Os fariseus, que exigiram de Jesus um sinal do céu, estavam apenas começando sua campanha de ódio mortal contra o Filho de Deus. Os discípulos teriam de aprender que, se queriam realmente seguir a Jesus, teriam de sair “para fora do povoado” (Mc 8:22) e se deixarem curar de sua cegueira. Sim, pois apesar de terem olhos, eles não estavam enxergando perfeitamente, e para reforçar a lição Jesus fará uma demonstração prática. Ele irá curar um cego “fora do povoado”, ou à parte do sistema que iria crucificar o Filho de Deus.

Se você não entender as dispensações irá perder muito do que o Espírito Santo quer ensinar aqui. Deus escolheu um povo, porém este povo rejeitou seu Messias, pregando-o numa cruz. A partir daí Deus iria olhar para os gentios, e Jesus já apresentava algumas pistas disso nos relatos dos Evangelhos. Mas não é dos gentios que iriam compor o corpo de Cristo, a Igreja, que os evangelhos falam diretamente. Eles falam dos gentios que serão abençoados no futuro com os judeus na terra, não no céu.

Exceto pelas menções nos capítulos 16 e 18 de Mateus, a verdade da Igreja permaneceria oculta até ela ser criada no capítulo 2 de Atos e esse mistério escondido ser revelado mais tarde ao apóstolo Paulo. Portanto, quando você ler da rejeição de Cristo pelos judeus, e de ele voltando-se para os gentios, entenda que isso não é uma menção direta à Igreja, cuja vocação é celestial. Tudo gira em torno do Reino e de um povo terreno, que sempre foi o cerne do ensino do Antigo Testamento. Nele encontramos Deus tratando com o homem natural e prometendo a ele benefícios terrenos de paz, saúde e prosperidade. Essas promessas não foram feitas à Igreja, foram feitas a Israel e às nações na terra. Elas nada têm a ver com o céu.

Após o arrebatamento da Igreja alguns gentios conhecerão a Cristo por meio de um remanescente de judeus fiéis em tempos de muita tribulação, perseguição e martírio. Esse remanescente pode ser visto em figura nos discípulos que andavam com o Senhor, quando o mundo em geral já o tinha rejeitado. Eles permaneciam ao seu lado, apesar de ainda não enxergarem com clareza. A cura do cego irá ensinar muito dessa rejeição e de como o Senhor irá abrir os olhos de um remanescente de judeus fiéis, para que não apenas vejam com clareza seu Messias, como também para que saiam anunciando o evangelho do Reino. Mas isso ainda é futuro.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#779 Trombetas



Leitura: Marcos8:15-21

No episódio anterior vimos Jesus dando aos discípulos instruções bem claras para que tivessem “cuidado com o fermento dos fariseus e... de Herodes.” (Mc 8:15). Eles deveriam ficar longe daqueles que se opunham a Jesus, e da doutrina deles que contaminava como fermento. A religião e a política iriam rejeitar completamente seu Messias e Rei. Fariseus, saduceus e herodianos eram algumas das principais facções do judaísmo.

Eles não concordavam entre si, mas se uniriam para condenar o Senhor. Enquanto isso Jesus instruía os discípulos a não buscarem união com o poder político e religioso. Isso vale também para muitos cristãos que vivem hoje no mesmo mundo de inimizade contra Deus, e são tentados a participar de movimentos que acreditam servir para preparar o mundo para Cristo reinar. É tudo em vão. Antes do reino virá o juízo das nações.

Jesus pergunta aos discípulos: “Vocês ainda não entendem?” (Mc 8:21). Eles não entendiam que a rejeição que Jesus experimentava naqueles últimos dias de seu ministério era um prenúncio de que o estabelecimento do Reino de Cristo na terra seria postergado. Não caberia a eles a tarefa de preparar o mundo para Cristo reinar, pois antes os que são de Cristo seriam tirados da terra. Esse evento seria mantido em segredo até ser revelado a Paulo: “Eis que eu lhes digo um mistério: nem todos dormiremos, mas todos seremos transformados, num momento, num abrir e fechar de olhos, ao som da última trombeta. Pois a trombeta soará, os mortos ressuscitarão incorruptíveis e nós seremos transformados.” (1 Co 15:51-52).

Essa ressurreição e transformação — respectivamente de salvos mortos e vivos — aparece em outra carta. Ali essa “última trombeta” é chamada de “trombeta de Deus” e não é a mesma do “sétimo anjo” de Apocalipse, que fará soar “altas vozes no céu que diziam: ‘O reino do mundo se tornou de nosso Senhor e do seu Cristo, e ele reinará para todo o sempre’.” (Ap 11:15). A trombeta do sétimo anjo avisa da manifestação do Reino na terra; a trombeta de Deus convoca os salvos para a partida da terra.

“Dada a ordem, com a voz do arcanjo e o ressoar da trombeta de Deus, o próprio Senhor descerá do céu, e os mortos em Cristo ressuscitarão primeiro. Depois disso, os que estivermos vivos seremos arrebatados juntamente com eles nas nuvens, para o encontro com o Senhor nos ares. E assim estaremos com o Senhor para sempre.” (1 Ts 4:16-17).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.

Total de visualizações de página