"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#75 Justica e graca



Leitura: Mateus 20:1-16
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=mMNNjOWWKSE

No final do capítulo 19 de Mateus os discípulos perguntam o que ganharão por terem deixado tudo para seguir a Jesus. Ele promete que os que abrissem mão de tudo para segui-lo receberiam cem vezes mais, além da vida eterna. Certamente Deus tem uma recompensa para a fidelidade que vem depois de crer em Jesus. Afinal, como você poderá segui-lo se não crer nele?

Porém Jesus alerta que muitos primeiros serão últimos e muitos últimos primeiros, e no capítulo 20 ele mostra o contraste entre justiça e graça usando uma parábola. Agora o reino dos céus é comparado a um empresário que contrata diaristas para sua vinícola. Com os primeiros, que começam a trabalhar, digamos, às seis da manhã, ele combina pagar uma moeda de prata, e eles concordam. Era o salário mínimo suficiente para a cesta básica.

À medida que o dia passa, ele contrata outros sem combinar o valor. Diz apenas que lhes pagará o que for justo. Portanto apenas os primeiros tinham, por assim dizer, um contrato formal determinando o valor a receber.

No final do dia o empresário começa a pagar os últimos, os que tinham sido contratados quase no fim da jornada de trabalho, dando a estes o mesmo pagamento dos primeiros, que trabalharam o dia inteiro. Ninguém reclama, exceto os primeiros, os que tinham um contrato formal. Será que tinham razão? Não.

O empresário foi justo ao pagar a eles o que tinha sido combinado. E não foi injusto ao pagar aos outros o necessário para o seu sustento. Se recebessem menos, seus filhos passariam fome. Os primeiros foram tratados com justiça; os últimos com a graça que dá a cada um segundo o coração de Deus, e não segundo o merecimento do homem. E Deus tem um coração grande e cheio de compaixão.

Se você não entender isso vai achar injusto que um assassino, convertido minutos antes da cadeira elétrica, receba o mesmo céu de alguém que creu em Jesus quando jovem e levou uma vida de devoção a Deus. Sabe por que você acha injusto? Por se considerar melhor que o assassino. Se Deus tratar você e eu com justiça, seremos condenados, já que todos somos igualmente pecadores e transgressores da lei de Deus. Até na lei dos homens, apesar da pena variar, tanto o homicida quanto o que estacionou em local proibido são transgressores.

Para Deus poder ser justo e misericordioso Jesus aceitou receber, na cruz, o castigo pelos pecados, tanto do homicida quanto de qualquer outro que crer nele. Agora Deus pode salvar, por graça, quem crer no seu Filho Jesus. E é desse sacrifício, um tema recorrente em toda a Bíblia, que Jesus voltará a falar aos seus discípulos nos próximos 3 minutos.

#74 O camelo e a agulha



Leitura: Mateus 19:23-26
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Psluj-PmRrw

Depois da conversa com o jovem milionário do capítulo 19 de Mateus Jesus explica que dificilmente um rico poderia entrar no reino dos céus, e continua explicando que é mais fácil passar um camelo pelo buraco de uma agulha do que um rico entrar no reino dos céus.

Alguns dizem que camelo é camelo mesmo, outros dizem que é uma corda de amarrar navios. A agulha é às vezes interpretada como agulha de costura e outras como uma pequena porta na muralha. Seja o que for, Jesus deixa bem claro que está falando de algo que é impossível aos homens.

Para os discípulos aquilo era um choque. No Antigo Testamento Deus prometia abençoar com prosperidade e riquezas os obedientes, e agora Jesus diz que a prosperidade é um empecilho à bênção e salvação. Como pode ser? Simples. O rico tende a fazer da riqueza o seu deus.

Qualquer coisa pode ser seu deus, e o homem moderno não é nem um pouco menos idólatra do que os antigos que adoravam ídolos de pedra. Se você acha que não pode viver sem alguém, essa pessoa é seu ídolo. Se você acredita que não poderá ser feliz sem aquele carro novo, aquele é seu ídolo móvel. Se você depende da conta bancária para se sentir seguro e realizado, seu deus é Mamom, o dinheiro.

Responda sinceramente, você não se sente mais confiante quando tem algum dinheiro no bolso? E se puder andar sempre na última moda, isso não lhe dá a sensação de ser alguém? É claro que dá. Em marketing chamamos a isso de poder de compra, e como todo ser humano gosta de poder, fica fácil perceber que quanto mais dinheiro, maior a sensação de poder, influência e domínio.

Mas é bom entender também que riqueza alguma tem valor em si mesma. Somos nós que atribuímos valor à prata e ao ouro. Alguns valorizam tanto a pobreza que isso acaba se transformando na sua riqueza, e passam a olhar com desdém os ricos. Você deve conhecer alguém que se acha melhor do que os ricos só por ser pobre. Preste atenção: qualquer coisa, seja riqueza ou pobreza, saúde ou doença, força ou fraqueza, que lhe der a sensação de ser alguém, essa coisa é o seu deus.

"Neste caso, quem pode ser salvo?", pergunta Pedro. Jesus responde: "Para o homem é impossível, mas para Deus todas as coisas são possíveis". A idéia é essa. Não há coisa alguma que você possa ter, ser ou fazer - e daí a palavra "impossível" - que contribua para sua salvação. Tudo vem de Deus para que a glória da sua salvação seja exclusivamente dele. Deu para entender que a salvação é por graça e não por mérito? E é também sobre o princípio da graça que o empresário dos próximos 3 minutos irá recompensar seus empregados.

#73 O milionario



Leitura: Mateus 19:19-22
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=emN3xt-T4ek
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/73_O_milionario.mp3

No capítulo 19 de Mateus vamos encontrar um jovem milionário, que tinha tudo, menos a vida eterna. Por isso pergunta a Jesus: "Mestre, o que devo fazer de bom para conseguir a vida eterna?" Ele está duplamente equivocado, por chamar Jesus de mestre e por acreditar que a vida eterna se obtém fazendo o bem.

O jovem coloca Jesus, que é Deus e Homem, no mesmo nível dos mestres religiosos de Israel. A resposta de Jesus tem por objetivo ver se cai a ficha do rapaz: "Por que me pergunta sobre o que é bom? Só existe um que é bom". Exatamente, o único bom é Deus, e ele estava bem ali na frente do rapaz. Infelizmente a ficha não cai, por isso Jesus continua testando o jovem.

Jesus diz a ele que se quiser entrar na vida, deve obedecer aos mandamentos... não matar, não adulterar, não furtar, não dar falso testemunho, honrar os pais e amar o próximo como a si mesmo. Na lei dada a Moisés havia 10 mandamentos, mas aqui Jesus só menciona os relacionados ao próximo, já que o rapaz tinha sido reprovado em reconhecer e amar a Deus, que estava bem ali na sua frente.

Se eu perguntar se você obedece todos os mandamentos desta lista, o que dirá? Será que é capaz de afirmar que nunca mentiu, que honra seus pais e ama o próximo como a si mesmo? E quando o assunto é matar e roubar, não se esqueça de que Jesus disse que basta pensar nisso para ser lançado em sua conta. Você sabe que não tiraria nota 10 no teste, não é mesmo? Mas o que responde o jovem milionário?

"A tudo tenho obedecido. O que me falta ainda?" Você teria coragem de responder assim para o Criador e Senhor do Universo? O jovem continua achando que a vida eterna é recebida por uma barganha do tipo eu faço e Deus é obrigado a me recompensar. Ele não conhece a graça de Deus, a única maneira de se receber a vida eterna; ele não é capaz de admitir sua incapacidade de obedecer aos mandamentos e se colocar diante de Deus como um pecador perdido.

Jesus dá o golpe final que revela que as respostas do jovem não tinham consistência: "Se você quer ser perfeito, vá, venda os seus bens e dê o dinheiro aos pobres, e você terá um tesouro no céu. Depois, venha e siga-me". Ao ouvir isso o jovem se afastou triste, porque era milionário.

Ele não amava o próximo como a si mesmo e nem queria seguir a Jesus. A história teria sido outra se ele tivesse admitido sua incapacidade de obedecer e suplicado por misericórdia e graça. O problema não era o dinheiro, mas seu apego a ele e sua jactância de afirmar que era capaz de amar o próximo como a si mesmo. Jesus continua falando dos ricos nos próximos 3 minutos.

#72 A divida impagavel



Leitura: Mateus 18:23-35
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=oPOj_fcZRRM
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/72_A_divida_impagavel.mp3

No capítulo 18 de Mateus Jesus compara o reino dos céus a um rei cujo servo lhe deve 10 mil talentos. Dez mil talentos são trezentas e cinqüenta toneladas. Se for de prata, são 120 milhões de dólares. Se for de ouro, 8 bilhões e meio. Jesus quis mostrar que a dívida era impagável.

O rei ordena que o servo, sua mulher e seus filhos sejam vendidos como escravos, mas o servo implora por paciência, e o rei, movido de compaixão, cancela sua dívida e o perdoa. O rei da parábola é Deus e nós somos o servo devedor. Mas o servo perdoado não considera o quanto lhe foi perdoado e trata sem misericórdia um colega seu que lhe devia uma quantia infinitamente menor. Ao saber disso o rei entrega o servo ingrato aos torturadores até que pague toda a dívida.

Observe que o contexto fala do reino dos céus, e não do céu propriamente dito. Como já vimos nesta série, o reino dos céus é a esfera dos que, neste mundo, professam sujeição ao Rei que está no céu. Portanto, tecnicamente falando, o perdão aqui é mostrado em seu caráter governamental, não eterno, e é por isso que o rei da parábola pôde voltar atrás e cancelar o perdão dado ao servo ingrato.

Quando o assunto é o perdão eterno, quem crê em Jesus como seu Salvador é perdoado eternamente de seus pecados, e esse perdão não corre o risco de ser cancelado, já que foi obtido por graça, não por mérito. Mas isso não dá ao crente em Jesus o direito de viver aqui como bem entender. Neste mundo ele continua sujeito ao governo de Deus e ao fato de que para toda ação existe uma reação.

É por isso que Jesus diz que tudo o que o homem semear ele ceifará. Alguém que se drogava continuará sujeito aos danos causados em seu organismo, mesmo que se converta e abandone o vício. Do mesmo modo o cristão que não perdoa o seu próximo também acaba sofrendo em sua vida aqui. Quando você nasce de novo pela fé em Jesus, passa a ser filho de Deus e é tratado assim por ele. Nós disciplinamos nossos filhos rebeldes, e Deus faz o mesmo com os dele.

Como saber se você é um filho de Deus? Crendo em Jesus, suplicando por perdão, como fez aquele servo. Se você realmente crê em Jesus como seu Salvador, sua vida dará testemunho disso. Sua boca irá falar do quanto Deus fez por você e você tratará os outros com a misericórdia com que foi tratado. Você saberá perdoar como foi perdoado. Aqui você conheceu o servo que devia milhões. Nos próximos 3 minutos você conhecerá um jovem milionário.

#71 Setenta vezes sempre



Leitura: Mateus 18:21-22
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=jsCtHTu3fTI
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/71_Setenta_vezes_sempre.mp3

O apóstolo Pedro está com uma dúvida. "Senhor, quantas vezes devo perdoar a meu irmão? Até sete vezes?" Para entender a pergunta de Pedro, é preciso entender o significado dos números na Bíblia.

O número "um" obviamente significa unidade. "Dois" é o número de testemunhas necessárias. Três é um testemunho perfeito, o número mínimo de pernas para uma mesa, algo suficiente em si mesmo. Deus é um, mas é também três Pessoas: Pai, Filho e Espírito Santo. Não tente entender. É Deus!

Quatro nos fala de simetria, dos 4 cantos da terra. Cinco é responsabilidade, é ação executada pelos cinco dedos da mão. Seis é o número que não chega a sete, é incompleto. Sete, portanto, é algo completo. Ele aparece em profusão no livro de Apocalipse, que completa a revelação de Deus.

Portanto, Pedro estava perguntando se sete vezes, um número completo, era suficiente para perdoar alguém. Jesus responde que deve perdoar setenta vezes sete, o que equivale perdoar setenta vezes sempre.

Mas isso também não é uma lei, como nada é lei para o cristão. No Antigo Testamento Deus deu 10 mandamentos e centenas de preceitos, que só serviram para provar que somos incapazes de atingir as expectativas de santidade exigidas por Deus. Então Deus revelou a sua graça, ao nos perdoar incondicionalmente.

Ok, você dirá que é injusto perdoar alguém sem uma reparação, sem que pague pelo que fez. Correto, e foi isso que Jesus veio pagar pelos pecados do pecador, para que o perdão agora pudesse ser gratuito. Uma vez salvo por graça, que é um favor imerecido, o cristão perdoa não por obrigação ou para receber algo em troca, mas porque Deus fez isso com ele.

Deu para entender que o cristão não vive por leis ou regras, mas por reflexo? Ele deve refletir o que vê em Cristo. Quando eu perdôo, faço isso porque fui perdoado. Quando dou algo a alguém, faço isso porque Jesus abriu mão de tudo por mim. Quando amo, é porque fui absurdamente amado.

Não há nada que eu possa fazer para Deus me amar mais, e coisa alguma poderia fazer ele me amar menos. Afinal, quando ele me encontrou, me amou e me salvou, eu era um pecador perdido, inimigo dele, uma completa ruína. Você não será perdoado por amar muito a Deus; você só pode ser perdoado por ser muito amado. Sua dívida é impossível de você pagar com seus próprios meios, como a do servo da história dos próximos 3 minutos.

#70 A ovelha perdida



Leitura: Mateus 18:11-14
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=Dhx8MrxnY4g
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/70_A_ovelha_perdida.mp3

Na Bíblia, poucos versículos podem revelar grandes histórias. É o que acontece com o exemplo da ovelha perdida. Jesus começa dizendo que "o Filho do homem veio salvar o que se havia perdido". Tem muita coisa nessa frase.

Se, por um lado o título "Filho de Deus" mostra sua natureza divina, "Filho do homem" revela que ele possui a natureza humana, porém sem pecado. Somente alguém que fosse realmente humano poderia nos compreender, passar pelo que passamos e morrer em nosso lugar.

Já que todos são pecadores, Deus não encontrou um ser humano sequer para fazer o papel do cordeiro sem defeito que devia morrer pelo pecador, como acontecia em figura nos sacrifícios do Antigo Testamento. É aí que entra, Jesus nascido de uma mulher virgem por concepção do Espírito Santo, portanto humano, mas sem herdar a natureza pecaminosa que herdamos.

Ele não tinha pecado, nunca pecou e jamais poderia pecar, por lhe faltar justamente esse princípio ativo, que é o pecado que habita em nós. No entanto, na cruz, ele foi feito pecado em nosso lugar, e também recebeu sobre si os pecados daqueles que crêem nele, sendo castigado como um substituto.

Você reparou que falei de "pecado", no singular, e "pecados", no plural? Este é um assunto que Paulo explica em sua carta aos Romanos. É mais ou menos assim: um pé de limão dá limões porque tem a natureza de um pé de limão. É impossível que dê outro fruto. Mesmo pequenino, basta você cheirar uma folha para saber que é um pé de limão.

Assim somos nós, nascemos com o "pecado", no singular, em nós. A Bíblia chama isso de velha natureza, velho homem ou carne. Um bebê é um pecador, não por ter cometido algum pecado, mas por possuir em si esse princípio ativo. É apenas uma questão de tempo para ele começar a produzir seus limões, os "pecados", no plural. Ao nascer de novo você recebe de Deus uma nova natureza, perfeita, e ao crer em Jesus os seus pecados são todos perdoados.

Mas para que isso aconteça, é preciso que você se reconheça como a ovelha perdida. O pastor tem cem ovelhas, mas se apenas uma se perder, ele se dispõe a fazer o que precisar para ir procurá-la. Lembre-se de que o pastor é dono das ovelhas e se importa com elas. E, neste caso, lembre-se de que o Pastor já foi ovelha. O profeta Isaías diz que ele foi levado como ovelha muda para o matadouro. Chegou a hora de você se deixar encontrar por Jesus, o bom Pastor. Vejo você nos próximos 3 minutos.

#69 Grandes pequenos



Leitura: Mateus 18:1-10
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=IWlHcm3YG8U
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/69_Grandes_pequenos.mp3

Neste capítulo 18 de Mateus você aprende como devem se comportar os que pertencem ao reino dos céus. O reino dos céus não é o céu, mas a esfera dos que professam sujeição ao governo que emana dos céus, aqueles que pertencem a um reino cujo Rei está neste momento ausente, nos céus.

Os discípulos querem saber quem é o maior no reino dos céus e Jesus mostra a eles uma criança. Ninguém pode realmente entrar no reino dos céus - e aqui ele está falando dos realmente convertidos - a menos que se torne como uma criança. Na matemática de Deus vimos que menos é mais, quando 5 pães alimentaram 5 mil e 7 pães alimentaram 4 mil. Agora, na medida de Deus o menor é o maior.

Mas como se tornar uma criança? Reconhecendo-se pequenino, fraquinho, incapaz, necessitado, dependente ao extremo de alguém maior que você. Jesus não veio salvar os capazes, mas os incapazes; não veio salvar justos, mas pecadores; não veio salvar fariseus religiosos, mas publicanos corruptos, não veio salvar campeões, mas aleijados; não veio salvar donzelas prendadas, mas prostitutas.

É claro que Deus ama a bondade, a integridade e a pureza, mas não são essas qualidades que salvam. Por dentro somos todos iguais, pecadores, e o sangue de Jesus é a única solução para isso. Esqueça tudo o que você aprendeu sobre ir para o céu baseado em suas conquistas. As coisas de Deus não seguem a lógica humana.

Afinal, que lógica existe em um Salvador pregado numa cruz? Como alguém que não pode nem mexer as mãos e os pés poderia salvar você? No entanto foi assim que Deus fez. Antes de ser Leão, Jesus precisou ser Cordeiro, e Cordeiro sacrificado.

Se você realmente crê em Jesus como seu Salvador, enxergará a si próprio naquela cruz, pois era ali que você merecia estar, recebendo o juízo de Deus, o castigo que estava endereçado a você. No entanto, Deus amou tanto você que preferiu condenar Seu próprio Filho, um inocente, Jesus.

Jesus fala aos discípulos de coisas que nos fazem tropeçar: nossas mãos, pés e olhos. Pensamos imediatamente nas coisas más que podemos fazer com nossos membros, e realmente é assim. Mas que tal lembrar que esses mesmos membros também nos dão a falsa sensação de podermos agir, andar e enxergar independentes de Deus?

Não se esqueça: Jesus veio salvar os incapazes, e é nessa condição que ele quer encontrar você. Como a ovelha perdida dos próximos 3 minutos.

#68 Marionetes



Leitura: Mateus 17:14-23
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=ADPBbf3-848
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/68_Marionetes.mp3

Agora os discípulos acompanham Jesus na descida do monte, onde ele tinha se transfigurado em um lampejo do que há de ser a glória futura. Tudo aquilo era real, mas fazia parte do mundo invisível, uma outra dimensão.

O contraste da atmosfera que os discípulos respiraram no alto do monte e o que encontram quando chegam lá embaixo é evidente. Um pai se aproxima desesperado pedindo a Jesus que tenha misericórdia de seu filho. Este mundo, imerso em trevas, pecado e morte, não é nenhuma Disneylândia.

A vida do cristão também não é livre de sofrimentos. Todos têm problemas. A diferença é que quem tem a Cristo tem uma perspectiva eterna e a certeza do seu destino. Verá a face de Cristo resplandecer como o sol e suas vestes brilharem como a luz. O incrédulo não. Para o incrédulo o futuro é um lugar escuro e incerto.

O filho enfermo daquele homem que procura por Jesus era controlado pelo demônio, que ora o lançava na água, ora no fogo, dois extremos. O garoto é levado a Jesus e imediatamente curado.

Se você ainda não foi a Jesus, continuará sendo lançado de um lado para o outro como aquele jovem. Ouça o que o apóstolo Paulo disse aos cristãos de Éfeso, ao explicar o que realmente controlava a vida deles antes de se converterem:

"Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados... quando seguiam a onda deste mundo e o príncipe dos poderes do ar, o espírito que agora atua nos que vivem em desobediência. Antes, todos nós também vivíamos assim, satisfazendo as vontades da nossa carne e seguindo nossos desejos e pensamentos".

Sua vida é assim? Sua bússola é a opinião pública, seu norte são os seus pensamentos e seu objetivo na vida é satisfazer seus instintos e a própria vontade como fazem os animais? A Palavra de Deus diz que os que estão nessa condição são na verdade marionetes do príncipe dos poderes do ar. Que príncipe é esse? Ele tem diferentes nomes: Lúcifer, Diabo, Satanás...

Ele se diverte jogando as pessoas de um lado para o outro, como fazia com aquele jovem. Quando você menos espera, descobre que não chegou a lugar nenhum no curto espaço de tempo de sua vida. Por falar nisso, quanto tempo você acha que ainda resta para você?

Posso dizer uma coisa? Se você vive assim, está em péssima companhia. Peça a Jesus o mesmo que aquele pai aflito pediu: "Senhor, tem misericórdia!". Creia em Jesus, sem reservas, como a criança dos próximos 3 minutos.

#67 A transfiguracao



Leitura: Mateus 17:1-13
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=cjm-etcXvik
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/67_A_transfiguracao.mp3

Nos originais a Bíblia não é dividida em capítulos e versículos. Isso foi feito depois, nos anos de 1227 e 1551 respectivamente. Portanto o último versículo do capítulo 16 do evangelho de Mateus faz parte da narrativa do capítulo 17.

Naquele versículo Jesus garante aos discípulos que alguns deles não passariam pela morte antes que vissem Jesus em seu reino. Pedro, Tiago e João são os privilegiados: eles são levados a um alto monte e Jesus é transfigurado diante deles. A palavra no original é metamorfose.

Pedro, Tiago e João vêem como Jesus será visto em sua vinda em glória, com seu rosto brilhando como o sol e suas vestes radiantes como a luz. Moisés e Elias surgem diante dele e os três conversam sobre a morte de Jesus que estava para ocorrer.

A presença de Moisés e Elias prova que os que partem deste mundo continuam vivos e conscientes, além de conservarem sua identidade individual. Moisés tinha morrido e Elias tinha sido arrebatado ao céu sem experimentar a morte muitos séculos antes.

No Antigo Testamento Moisés foi impedido de entrar na terra prometida por causa de uma desobediência a Deus. Só foi permitido que olhasse de longe a terra onde tanto desejava entrar. Agora ele aparece na mesma terra prometida onde antes não pôde entrar. Deus tem um tempo para tudo, só que sua agenda não está limitada aos poucos anos de nossa vida aqui. O incrédulo vive no desespero de realizar seus planos no curto espaço de uma vida. O crente em Jesus não precisa ter essa pressa. Sua perspectiva de vida é eterna.

Pedro imediatamente se oferece para armar três tendas, uma para Jesus, outra para Moisés e outra ainda para Elias, colocando os três em um mesmo nível. Imediatamente uma nuvem resplandecente surge e dela sai uma voz que diz: "Este é o meu Filho amado em quem me agrado. Ouçam-no".

Os discípulos se prostram no chão e, quando abrem os olhos, só vêem Jesus. Moisés e Elias eram servos de Deus; Jesus é o unigênito Filho de Deus, o único homem gerado por Deus. Jesus é ao mesmo tempo Deus e Homem, a expressa imagem da divindade, o único sem começo nem fim. Será que você é daqueles que tentam colocar Jesus no mesmo plano dos grandes homens e filósofos da história da humanidade?

Por mais gratificante que tenha sido a experiência dos discípulos diante de Jesus transfigurado, eles agora precisam descer da montanha e encarar a vida do jeito que ela é, com tristezas, problemas e enfermidades. Nos próximos 3 minutos.

#66 O adversário



Leitura: Mateus 16:21-28
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=U0t-WpPteNI
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/66_O_adversario.mp3

Chega a hora da grande revelação, o tema principal de toda a Bíblia. Desde a queda de Adão Deus tinha prometido que da descendência da mulher viria um que seria ferido pela serpente, mas que a venceria. Jesus revela aos discípulos que ele deve ir a Jerusalém, sofrer nas mãos do clero, morrer e ressuscitar no terceiro dia.

Essa aparente derrota culminaria na vitória da ressurreição, mas Pedro parece não entender isso. Na melhor das intenções ele repreende Jesus dizendo que de modo algum isso vai acontecer a ele. A bronca que Pedro leva é do tamanho da bobagem que ele acaba de dizer:

"Para trás de mim, Satanás! Você é uma pedra de tropeço para mim, e não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens!", diz Jesus.

O Filho de Deus tinha vindo morrer e ressuscitar para resgatar o homem do pecado e da morte. Qualquer pessoa, filosofia ou religião que tente negar a morte e ressurreição de Jesus está fazendo a obra do diabo. Deixe-me repetir: qualquer um que tente negar a morte e ressurreição de Cristo está fazendo a obra do adversário, que é Satanás.

Se a sua noção de cristianismo não passa de um conjunto de preceitos morais, o seu cristianismo não é de Deus. Não há salvação sem o sacrifício e a ressurreição do Cordeiro de Deus. Aqueles que consideram a morte de Jesus apenas um exemplo de abnegação estão fazendo um favor ao adversário.

Satanás não quer que as pessoas creiam que Jesus morreu para salvá-las e que o seu sangue é capaz de deletar definitivamente os seus pecados. O diabo quer nos fazer crer que a ressurreição não passa de simbolismo, ou que o Jesus que os discípulos viram ressuscitado não passava de uma materialização de seu espírito.

Nada disso. Jesus realmente morreu, realmente levou sobre si a culpa dos pecados daqueles que crêem nele, pagou por isso e ressuscitou no terceiro dia. O seu corpo físico reviveu e subiu ao céu, do mesmo modo como os que crêem nele irão reviver.

Hoje há no céu um Homem perfeito, com corpo e tudo, Jesus ressuscitado. Em breve o céu estará povoado de seres humanos, não apenas em espírito, mas em corpos ressuscitados. Você será um deles, se crer agora no Salvador.

Quem quiser salvar a vidinha que leva aqui, vai perdê-la. Mas quem estiver disposto a perder essa vidinha por causa de Jesus, vai achar a verdadeira vida, a vida eterna. Pedro, Tiago e João estão prestes a ver um lampejo de como será essa vida nos próximos 3 minutos.

#65 A igreja



Leitura: Mateus 16:13-20
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=6D-w1wTQ2Cg
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/65_A_igreja.mp3

No capítulo 16 do evangelho de Mateus a Bíblia fala pela primeira vez da igreja. Igreja, na Bíblia, nunca é a uma denominação, organização religiosa ou edifício de tijolos. A palavra significa simplesmente reunião ou assembléia, portanto, um grupo de pessoas, não uma entidade jurídica.

A igreja é também um organismo vivo, o corpo de Cristo, no qual os membros necessitam uns dos outros e nenhum pode ser amputado. Aquele que é a cabeça do corpo não deixaria isso acontecer. A igreja aparece também como a noiva ou esposa de Cristo, uma união indissolúvel.

Na Bíblia não existe "Igreja A" ou "Igreja B", e ninguém diz "eu sou A" e "e sou B". Responda rápido: de que igreja era o apóstolo Paulo? Viu? Só existe uma igreja verdadeira, aquela que Cristo comprou com seu próprio sangue.

Pense no Exército Brasileiro. Só existe um, mesmo que esteja representado em várias cidades. Na Bíblia você encontra a igreja em Éfeso, a igreja em Corinto etc. É a mesma igreja em diferentes cidades, como acontece com o Exército Brasileiro. Nunca se trata de outro exército, independente ou com outro nome. Assim deveria ser o testemunho da igreja também.

O exército brasileiro teve uma data de fundação, a única igreja genuína também. Ela foi fundada por volta do ano 30 e dela fazem parte todos os que verdadeiramente crêem em Jesus. Qualquer igreja fundada em outra data, ou que não inclua todos os salvos por Cristo, não é a igreja da Bíblia, mesmo que tenha em suas fileiras cristãos genuínos. Ninguém se faz membro da igreja; é Jesus quem acrescenta cada membro ao seu corpo.

Não confunda igreja com cristandade. Cristandade é o conjunto de todos os que se dizem cristãos, genuínos ou não. Igreja é o subconjunto que inclui apenas os genuínos. Por enquanto é difícil saber quem é quem, pois o joio está misturado com o trigo.

A igreja não tem um nome. Tentar dar diferentes nomes a diferentes grupos de cristãos é arruinar a unidade que Jesus planejou. Tentar reunir essas diferentes organizações numa colcha de retalhos é somar o que Deus não mandou dividir.

No céu não há denominações e os salvos não são identificados por diferentes nomes. Já ouviu a frase "seja feita a tua vontade assim na terra como no céu"? Pois é. Essa confusão de "igrejas" que você vê por aí não tem origem na Bíblia. O inimigo não poupa esforços para arruinar os planos de Deus, e nos próximos 3 minutos você vai encontrar Satanás se infiltrando nas idéias de ninguém menos do que o próprio apóstolo Pedro.

#64 Revelação



Leitura: Mateus 16:13-20
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=IG6YAULb9W8
Áudio: http://www.stories.org.br/3minutos/64_Revelacao.mp3

O capítulo 16 do evangelho de Mateus é um divisor de águas no ministério de Jesus. Agora só falta o ato final para completar sua rejeição pelos judeus: o Messias ser condenado à morte por seu próprio povo. O capítulo 53 do livro do profeta Isaías estava para se cumprir e agora Jesus passa a preparar seus discípulos para a cena da cruz.

Ele pergunta a eles quem o povo acha que ele realmente é. João Batista, Elias, Jeremias ou algum outro profeta ressuscitado, respondem eles. Então ele quer saber a opinião dos próprios discípulos. É Simão quem responde:

"Tu és o Cristo, o Filho do Deus vivo". Simão não fala de si mesmo, mas recebe uma revelação do Pai. Jesus é o Messias e Deus Filho. Homem algum pode concluir ou compreender isso a não ser por revelação divina. Jesus dissera um tempo antes que "Ninguém conhece o Filho senão o Pai".

As revelações não param aí. Dirigindo-se a Simão, Jesus diz: "Eu lhe digo que você é Pedro, e sobre esta pedra edificarei a minha igreja, e as portas do inferno não poderão vencê-la. Eu lhe darei as chaves do Reino dos céus; o que você ligar na terra terá sido ligado nos céus, e o que você desligar na terra terá sido desligado nos céus".

Existe muita confusão sobre esta passagem porque as traduções usam a mesma palavra para "pedra" e "rocha". Eu acredito que Jesus se referia à afirmação de Pedro e a si mesmo ao falar de "pedra". Mas o melhor mesmo é perguntarmos a Pedro quem é essa pedra.

"Ei, Pedro, quem você acha que é a pedra?"

Pedro responde no capítulo 4 de Atos: "Este Jesus é a pedra". Depois, em sua carta chamada de 1ª Pedro, no capítulo 2 ele chama Jesus de "pedra viva", "pedra rejeitada", "pedra escolhida", "pedra preciosa", "pedra angular", "pedra de tropeço" e "rocha de escândalo". Bem, você não vai querer discutir com Pedro, vai?

Outra revelação é que Jesus edificaria a sua igreja, a igreja dele próprio, o que nos leva a duas conclusões importantes. Primeiro, o verbo está no futuro, "edificarei", o que mostra que a igreja não existia antes e nem mesmo naquele momento. Era algo futuro, o que nos remete ao capítulo 2 de Atos, que você pode ler por conta própria.

Outra coisa: Jesus diz "minha igreja". É dele, de mais ninguém. Quando você escuta algum padre, pastor ou líder religioso usar a expressão "minha igreja" para falar da organização que fundou ou do lugar onde congrega, aquela é a igreja dessa pessoa, não a de Jesus. Se você quer saber qual é realmente a igreja de Jesus não perca os próximos 3 minutos.
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.