"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Rádio 3 Minutos

Pesquisar este blog

#791 Morto por dentro e por fora


Leitura: Marcos8:34-37

Em Marcos 8:34 Jesus faz um convite: “Se alguém quiser acompanhar-me, negue-se a si mesmo, tome a sua cruz e siga-me. Pois quem quiser salvar a sua vida, a perderá, mas quem perder a vida por minha causa e pelo evangelho, a salvará. Pois, que adianta ao homem ganhar o mundo inteiro e perder a sua alma? Ou, o que o homem poderia dar em troca de sua alma?” (Mc 8:34-36).

Quando Jesus diz “negue-se a si mesmo” ele não está falando de negar-se algum privilégio ou desejo do tipo “Tenho vontade de tomar sorvete, mas vou negar-me este prazer”. Não! Negar-se assim pode servir para quem está de dieta, mas aqui o Senhor está falando da negação do eu, de sua própria pessoa e tudo o que ela significa: sua inteligência, capacidades, planos etc. Seria como você entregar seu comércio a um amigo e este colocar na porta uma faixa dizendo: “Agora sob nova direção”.

Também costumamos ouvir pessoas falando de “tomar a própria cruz” como sendo algum problema ou enfermidade que carregam. Então dizem que têm aquela cruz para carregar, achando que era disso que Jesus falava. Mas o que ele queria dizer ia muito além de um problema ou enfermidade. Jesus fala de assumir a posição de um condenado à morte. Naqueles dias quem visse alguém carregando uma cruz iria concluir que aquela pessoa estava caminhando para sua execução. Negar-se ou dizer não a si mesmo é aceitar a morte internamente; tomar a própria cruz é aceitar a morte externamente, é caminhar como alguém que morreu aos olhos do mundo.

Para ser discípulo de Cristo é preciso assumir a posição de condenado para o mundo, e isso inclui seu aspecto religioso. Por isso na carta aos Hebreus, que fala do contraste entre a religião de formas baseada no judaísmo, e as “coisas melhores” que Deus trouxe aos crentes em Jesus, somos chamados a sair a ele “fora do acampamento, suportando a desonra que ele suportou.” (Hb 13:13). Você reparou que foi só depois de o cego de nascença ter sido expulso da sinagoga que ele conheceu melhor quem era aquele que o tinha curado? Foi fora do “arraial” ou “acampamento” do sistema religioso judaico que ele se encontrou com Jesus e o adorou.

“Jesus ouviu que o haviam expulsado e, ao encontrá-lo, disse: ‘Você crê no Filho do homem?’ Perguntou o homem: ‘Quem é ele, Senhor, para que eu nele creia?’ Disse Jesus: ‘Você já o tem visto. É aquele que está falando com você’. Então o homem disse: ‘Senhor, eu creio’. E o adorou.” (Jo 9:35-38).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#790 O modus operandi do diabo


Leitura: Marcos8:31-33

Quando me perguntaram qual a aparência de Satanás, respondi que não sabia, pois nunca o tinha visto. Mas talvez eu o tenha visto manifestando-se por meio de alguém. No Jardim do Éden teria sido estranho ele aparecer na forma humana, pois Eva sabia que ela e Adão eram os únicos humanos. Então ele veio como serpente. Depois ele iria se manifestar de diferentes formas, sempre com o mesmo objetivo: Enganar.

Esqueça a ideia medieval de um diabo vermelho, com chifres e garfo espetando criancinhas. Um agente infiltrado não se veste com as cores de seu país de origem, mas com as do país que deseja corromper. É assim que vemos o diabo ao longo das eras, se manifestando  muito mais na espiritualidade do que na imoralidade. Na corte de Faraó ele usou os magos para imitar os sinais divinos feitos por Moisés; hoje ele usa homens de terno ou batina clamando “Senhor, Senhor!” em igrejas, rádio e TV.

O diabo é um querubim, um ser angelical. Do mesmo modo como “falsos apóstolos, obreiros enganosos, fingindo-se apóstolos de Cristo” diriam “Senhor, Senhor, não profetizamos nós em teu nome? Em teu nome não expulsamos demônios e não realizamos muitos milagres?” (Mt 7:22), “o próprio Satanás se disfarça de anjo de luz. Portanto, não é surpresa que os seus servos finjam que são servos da justiça.” (2 Co 11:14-15).

Para identificar seu modo de agir basta ver suas intervenções ao longo da Bíblia. Quando Paulo diz para vestirmos “toda a armadura de Deus” para ficarmos “firmes contra as ciladas do diabo” (Ef 6:11), a palavra grega traduzida como “ciladas” é “methodeia”, e significa truque ou malandragem. Satanás contradiz a Palavra de Deus — “Certamente não morrerão!” — e exalta o homem — “Vocês serão como Deus” (Gn 3:4-5).

Esse “príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência”, levará você a seguir “a presente ordem deste mundo”, que chamamos de opinião pública. E pode até usar alguém tão idôneo quanto Pedro para negar a Palavra de Deus, como neste capítulo.

Após Jesus explicar claramente que era necessário que ele “fosse morto e três dias depois ressuscitasse... Pedro, chamando-o à parte, começou a repreendê-lo. Jesus, porém, voltou-se, olhou para os seus discípulos e repreendeu Pedro, dizendo: ‘Para trás de mim, Satanás! Você não pensa nas coisas de Deus, mas nas dos homens’.” (Mc 8:31-33).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#789 Transplante de mente


Leitura: Marcos8:31

“Então Jesus começou a ensinar-lhes que era necessário que o Filho do homem sofresse muitas coisas e fosse rejeitado pelos líderes religiosos, pelos chefes dos sacerdotes e pelos mestres da lei, fosse morto e três dias depois ressuscitasse.” (Mc 8:31). Uma frase é a chave para entender este versículo e outros da Palavra de Deus: “Era necessário”. Quando Deus acha que algo é necessário é melhor você não discutir.

A necessidade de Jesus morrer e ressuscitar é explicada em João 12:24: “Se o grão de trigo não cair na terra e não morrer, continuará ele só. Mas se morrer, dará muito fruto.”. A humanidade tenta incrementar a vida para fugir da morte usando engenharia genética, órgãos biônicos, Inteligência Artificial, criogenia, etc. Mas o projeto de Deus na construção de uma nova criação é muito melhor: começa pelo sucateamento do velho homem na cruz para criar o novo homem em ressurreição e vida.

A ciência busca turbinar o velho corpo humano para fazê-lo durar mais e aumentar sua capacidade intelectual. A ideia é reformar o hardware para ser capaz de receber todo o potencial do software. Já se fala em transplante da consciência para máquinas, porém a ciência aponta mais alto: um ser sobre-humano, ao que chamam de “Singularidade”. A ideia é que o novo homem criado pela ciência, que nem poderia mais ser considerado humano, seria um ser singular, imortal e com vontade própria.

Nada disso deveria surpreender o cristão, pois o anticristo terá “poder para dar fôlego à imagem da primeira besta, de modo que ela podia falar.” (Ap 13:14-15). A fala é uma das atividades mais complexas do corpo, e não me refiro à voz digital, que não passa de um papagaio eletrônico, mas daquela produzida por uma mente inteligente. Essa “imagem” não é a coisa em si, mas uma representação capaz de pensar e falar. Percebe a ordem das coisas nos planos do homem? Primeiro cria-se a imagem para depois implantar nela uma mente consciente.

Enquanto isso Deus oferece muito mais àquele que crê em Jesus, com a vantagem de ele receber a mente consciente antes mesmo de ser revestido da imortalidade. “Nós, porém, temos a mente de Cristo”, diz Paulo ao se referir à realidade daqueles que já creram em Jesus e agora aguardam apenas a transformação do hardware de seus corpos. “Pois é necessário que aquilo que é corruptível se revista de incorruptibilidade, e aquilo que é mortal, se revista de imortalidade.” (1 Co 2:16; 15:54).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#788 Inteligência Artificial


Leitura: Marcos8:27-30

Prometeu é o personagem da mitologia grega que teria roubado o fogo dos deuses para dá-lo aos homens. Dele a humanidade teria aprendido as artes, a escrita, a matemática, a agricultura, a medicina e a ciência. O poeta Goethe o descreve como um homem extraordinário, que quer tornar os homens à sua própria imagem para não precisarem venerar os deuses. Para o comunista Karl Marx ele seria o modelo do homem perfeito.

A Palavra de Deus ensina que desde a queda no Éden o grande objetivo de Satanás foi fazer o homem acreditar que poderia ser um deus. Desde então a humanidade vem tentando se equipar para isso, e no capítulo 4 de Gênesis vemos o homicida Caim e seus descendentes criando a primeira cidade, a agropecuária, as artes e a tecnologia. Hoje a humanidade continua nessa saga da evolução para chegar ao “Homem 2.0”.

Se você recebe sugestões após comprar na Internet é porque sistemas de “Inteligência Artificial” armazenam suas preferências para definir quem você é e transformá-lo em quem ela deseja que seja. Esqueça os robôs mecânicos da ficção. A “Inteligência Artificial” não precisa deles. Você é o corpo que ela quer possuir, o filhote de Prometeu com acesso a todo conhecimento humano ao toque dos dedos, da voz ou da íris. “Como Deus, sereis conhecedores do bem e do mal”, disse a serpente (Gn 3:5).

O problema é que não é possível ser humano sem o senso moral que Deus nos deu. Daí a dificuldade do carro inteligente e sem motorista que, no caso de um inevitável atropelamento, não sabe discernir se deve desviar de um que atravessa a rua correndo ou do marginal armado que o persegue. Quem der um senso moral à “Inteligência Artificial” será o seu “deus”. Você percebe o que vem por aí? “Para que ninguém possa comprar ou vender, senão aquele que tiver o sinal, ou o nome da besta, ou o número do seu nome.” (Ap 13:17). E você aí preocupado com um chip...

Enquanto os homens tentam virar deuses, Deus valorizou tanto a humanidade que fez o caminho inverso: “O Verbo se fez carne, e habitou entre nós, e vimos a sua glória, como a glória do unigênito do Pai, cheio de graça e de verdade.”. O filho de Deus quis virar humano para criar uma nova raça à sua semelhança e movida a vida divina: “A todos quantos o receberam, deu-lhes o poder de serem feitos filhos de Deus, aos que creem no seu nome; os quais não nasceram do sangue, nem da vontade da carne, nem da vontade do homem, mas de Deus.” (Jo 1:12-14).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#787 Em busca do Super-Homem



Leitura: Marcos 8:27-30

A resposta de Pedro— ‘Tu és o Cristo’ — causava impacto num judeu, para quem tudo girava em torno da promessa da vinda do Messias, o Cristo libertador. “Messias” significa escolhido, do qual Davi era uma figura a quem Deus disse: “Estabelecerei a tua linhagem para sempre e firmarei o teu trono por todas as gerações” (Sl 89:3-4). Os judeus esperavam por um Super-Homem, um Messias poderoso, guerreiro e libertador, e foi uma decepção ouvir Pedro dizer, após a morte e ressurreição de Jesus: “Este Jesus, a quem vocês crucificaram, Deus o fez Senhor e Cristo.” (At 2:36).

Todavia, Deus “estabeleceu em Cristo seu bom propósito... de fazer convergir em Cristo todas as coisas, celestiais ou terrenas, na dispensação da plenitude dos tempos.” (Ef 1:7-8). Assim como os raios de uma roda de bicicleta convergem para o eixo no centro, assim todas as coisas não apenas tiveram sua origem no Filho de Deus, como irão convergir nele no final. O Centro, origem e destino de todas as coisas.

Mas não era isso que queriam os judeus ou os seres humanos em geral, seduzidos que foram pela voz da serpente: “Vocês serão como Deus” (Gn 3:5). Desde a queda no Éden a história humana tem sido uma saga na busca da divinização do homem para ele poder galgar a posição olímpica de um deus. Esse empoderamento à parte de Deus começa com Caim construindo uma cidade com o nome de seu filho, e seus descendentes criando tudo para tornar a vida no mundo confortável à parte de Deus.

“Caim afastou-se da presença do Senhor e... fundou uma cidade, à qual deu o nome do seu filho Enoque.” Seus descendentes iniciariam as bases da civilização: agropecuária, artes e tecnologia. “Jabal foi o pai daqueles que moram em tendas e criam rebanhos... Jubal foi o pai de todos os que tocam harpa e flauta... Tubalcaim fabricava todo tipo de ferramentas de bronze e de ferro.” (Gn 4:16-17, 20-22). Tudo isso iria incrementar a capacidade do homem, que mais tarde diria: “Vamos construir uma cidade, com uma torre que alcance os céus. Assim nosso nome será famoso”, ao que Deus viu e respondeu: “Em breve nada poderá impedir o que planejam fazer.” (Gn 11:4, 6).

A saga dos seres humanos, que o apóstolo Paulo diz que “trocaram a glória do Deus imortal por imagens feitas segundo a semelhança do homem mortal” (Rm 1:23), continua ainda hoje e almeja criar uma segunda geração, um “Homem 2.0”¸um lendário Prometeu.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#786 O Centro de tudo


Leitura: Marcos8:27-30

Jesus pergunta aos discípulos: “‘Quem o povo diz que eu sou?’. Eles responderam: ‘Alguns dizem que és João Batista; outros, Elias; e, ainda outros, um dos profetas’. ‘E vocês?’, perguntou ele. ‘Quem vocês dizem que eu sou?’. Pedro respondeu: ‘Tu és o Cristo’. Jesus os advertiu que não falassem a ninguém a seu respeito.” (Mc 8:27:30).

Ao se converter a Jesus você achou que tudo na Bíblia girava em torno de você: sua salvação, o perdão de seus pecados, seu destino no céu. Mas se foi enganado por um pregador da Teologia da Prosperidade pode ter achado que Jesus fosse o lendário Gênio da Lâmpada, sempre pronto a satisfazer seus desejos de saúde, prosperidade e prazer nesta vida. Essa visão é humanista, rasa e egocêntrica, e até a ciência já pensou assim.

Há alguns séculos acreditava-se que a Terra era o centro do Universo e o Sol girava em torno dela. Depois o Sol foi para o centro e a Terra passou a girar ao seu redor. Com a descoberta das galáxias e outros sistemas solares foi a vez de o Sol girar em torno do centro de nossa galáxia, a Via Láctea. Mas quando descobriram que a Via Láctea está numa órbita conjugada com Andrômeda, a galáxia que mora ao lado, como duas crianças brincando de girar segurando nas pontas de uma corda, tudo mudou.

Embora esse giro possa criar um ponto virtual em torno do qual esses enormes sistemas revolvem, Via Láctea e Andrômeda estão subordinadas às gigantescas forças gravitacionais de algo ainda maior, o Aglomerado de Virgem. Esse aglomerado, por sua vez... Bem, é melhor eu parar por aqui, pois o que quero mostrar é que sempre tudo gira em torno de algo maior que tudo. Alguns cientistas consideram que seja o ponto de origem do Universo, a partir do qual ele parece estar se expandido. Mas o cristão sabe que o centro é outro, não só de sua vida, mas de todo o Universo: Cristo.

Paulo falava de Cristo como o centro ao qual Deus fará “convergir todas as coisas celestiais ou terrenas, na dispensação da plenitude dos tempos”, acrescentando que “nele temos a redenção por meio de seu sangue, o perdão dos pecados, de acordo com as riquezas da graça de Deus” (Ef 1:7-10). Percebe agora que é Cristo, e não o seu ou o meu umbigo o centro do Universo? Os homens têm diferentes opiniões de quem ele seja: Profeta, guru, espírito elevado, extraterrestre, são algumas que já ouvi. Mas apenas uma é verdadeira, aquela que o coloca no centro de tudo. “Pois dele, por ele e para ele são todas as coisas.” (Rm 11:36).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.

Total de visualizações de página