"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,

para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#814 O resgate do ser humano - Marcos 10:1



Leitura: Marcos 10:1

“Jesus saiu dali e foi para a região da Judéia e para o outro lado do Jordão. Novamente uma multidão veio a ele e, segundo o seu costume, ele a ensinava.” (Mc 10:1). Faltava pouco para aquela Luz se apagar, por isso ele aproveita o tempo para ensinar os que desejam ser ensinados. No outro evangelho ele diz: “Enquanto é dia, precisamos realizar a obra daquele que me enviou. A noite se aproxima, quando ninguém pode trabalhar. Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo.” (Jo 9:4-5).

Todo cristão deveria ter essa mesma receptividade que tinha o Senhor quando andava aqui, pronto a receber “uma multidão” que viesse a ele. Repare que aquela não era uma ocasião isolada, mas era o “seu costume”. O Senhor é assim, receptivo. Por isso ele diz: “O  que vem a mim de maneira nenhuma o lançarei fora.” (Jo 6:37). O profeta Isaías já falava dessa constante disponibilidade do Senhor em receber e salvar o contrito de coração que se chega a ele: “O braço do Senhor não está tão curto que não possa salvar, e o seu ouvido tão surdo que não possa ouvir.” (Is 59:1).

Mas a passagem continua para mostrar o que faz separação entre o homem e Deus. Não é, como muitos imaginam, a falta de boas obras a serem acrescentadas, mas a existência de pecados a serem tirados. “As suas maldades separaram vocês do seu Deus; os seus pecados esconderam de vocês o rosto dele... Porquanto são muitas as nossas transgressões diante de ti, e os nossos pecados testemunham contra nós.” (Is 59:2, 12).

Neste capítulo Jesus tem em pauta as relações instituídas por Deus no princípio na Criação. Ele fala do matrimônio, a relação original que Deus instituiu para um homem e uma mulher. Fomos criados assim no princípio — macho e fêmea — e qualquer tentativa de se mudar isso é aberração aos olhos de Deus. O interesse que Jesus demonstra nas crianças também revela que Deus as colocou como um valor moral que deveria servir de exemplo para os adultos. E ai de quem viesse a maltratá-las!

Do versículo 17 em diante Jesus irá mostrar a ordem estabelecida para este mundo que deve reger o comportamento humano. Ele não deixa de reconhecer o que existe de Deus no ser humano, em especial nas crianças: relacionamentos, amabilidade e inocência pueril. Também falará de regras simples de convivência como “não matarás, não adulterarás, não furtarás, não darás falso testemunho, não enganarás ninguém, honra teu pai e tua mãe” (Mc 10:19). É a conduta que diferencia homens de animais.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#813 Como restaurar seu sabor? Marcos 9:49-50


Leitura: Marcos9:49-50

Jesus diz: “Cada um será salgado com fogo. O sal é bom, mas se deixar de ser salgado, como restaurar o seu sabor? Tenham sal em vocês mesmos e vivam em paz uns com os outros” (Mc 9:49-50). Isto não fala de salvação, mas de prova para perdidos e salvos igualmente. O incrédulo será “salgado” depois de morto e condenado no fogo que nunca se apaga e onde seu bicho não morre. O crente, porém, terá sua prova de fogo ainda em vida, com dificuldades e perseguições. Com que objetivo? Pedro explica:

“Agora, por um pouco de tempo, [devem] ser entristecidos por todo tipo de provação. Assim acontece para que fique comprovado que a fé de vocês, muito mais valiosa do que o ouro que perece, mesmo que refinado pelo fogo, é genuína e resultará em louvor, glória e honra, quando Jesus Cristo for revelado. Mesmo não o tendo visto, vocês o amam; e apesar de não o verem agora, creem nele e exultam com alegria indizível e gloriosa, alcançando o alvo da sua fé, a salvação das suas almas.” (1 Pe 1:6-9).

Em Romanos 12:1 Paulo rogou aos crentes de Roma que se oferecessem “como um sacrifício vivo, santo e agradável a Deus”, “o culto racional” ou a dedicação consciente que se esperava deles. As provas permitidas por Deus aqui serão avaliadas por nosso modo de reagir a elas. Alguém disse: “Posso suportar tanto o amargo quanto o doce, sabendo que o cálice é preparado por Aquele que me ama demais para colocar qualquer ingrediente que não seja necessário.”. O segredo para uma vida feliz é ter a certeza de que coisa alguma acontece sem que seja da vontade do Pai, independente de isto ter um gosto ruim no curto prazo.

Ao longo do capítulo vimos o contraste entre a perfeição do Senhor e a instabilidade dos discípulos. Nós os vimos “apavorados” diante da transfiguração (v. 6) e que “não conseguiram” expulsar um espírito imundo (v. 17-18), enfraquecidos pela falta de comunhão com o Senhor por falta de oração e privação da carne (v. 29). Por faltar intimidade com o Senhor, temiam de fazer perguntas (v. 32), e disputavam “sobre quem era o maior” dentre eles (v. 34). Finalmente, foram vencidos pela soberba e sentimento faccioso para com um que expulsava demônios em nome de Jesus “porque” — diziam eles —, “não era um dos nossos” (v. 38). A soberba lhes impedia de enxergar que, mesmo não andando com eles, havia quem fosse capaz de fazer algo que eles próprios não tinham conseguido fazer, que era expulsar demônios. Faltava neles o sal que dá sabor ao testemunho do crente em Jesus.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Total de visualizações de página