"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

Carregando...

#147 Intolerancia religiosa



Leitura: João 4:27
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=U0dopYUbm34

No final deste episódio da mulher samaritana os discípulos ficam surpresos quando encontram Jesus conversando com ela. Eles traziam em si a semente da intolerância, o que é revelado no capítulo 9 do evangelho de Lucas quando discutem entre si qual deles seria o maior.

O primeiro efeito colateral da fé cristã é sentir-se superior às outras pessoas. Isto até que faria sentido em crenças que pregam a salvação dos melhores por seus próprios méritos e esforços. Mas o que dizer do evangelho que anuncia a salvação, não aos melhores, mas aos piores pecadores? Se você é salvo por graça, por meio da fé, e isto não vem de você ou de seus méritos, vai se gabar de quê?

A intolerância o leva a se separar daqueles que não pensam como você. Não falo aqui da separação dos pecados dessas pessoas ou de seus costumes contrários à vontade de Deus, mas de isolar-se e tornar-se inacessível a elas. Já imaginou se Jesus se isolasse dos pecadores e nem conversasse com eles? O que teria sido da mulher samaritana?

Outra característica da intolerância religiosa é a opressão passiva, que é o espírito de crítica e zombaria. Por se achar superior, você passa a zombar de todos os que não pensam como você. Faríamos melhor se, ao invés de zombarmos, gastássemos o mesmo tempo levando o evangelho aos incrédulos ou instruindo os fracos na fé. O problema é que, nesse espírito de intolerância, a existência de incrédulos nos faz sentir superiores e não nos animamos muito a mudar isso.

O último nível da intolerância é a opressão ativa, que pode ir da simples ingerência na política para dificultar a vida daqueles que não têm a mesma fé, até a perseguição e morte, como aconteceu nos tempos da Inquisição e ainda acontece em algumas partes do mundo. Lá no evangelho de Lucas diz que os discípulos encontraram alguém que expulsava demônios em nome de Jesus, e o proibiram de fazê-lo por não fazer parte do grupo de discípulos. Jesus os repreende por isso.

Lá também diz que quando chegaram a uma aldeia de samaritanos, e estes não recebem a Jesus, Tiago e João perguntaram ao Senhor se deviam fazer cair fogo do céu para queimar aquele povo. Mais uma vez são repreendidos por Jesus, que diz: "Vocês não sabem de que espírito são, pois o Filho do homem não veio para destruir a vida dos homens, mas para salvá-los".

Jesus não evita a mulher samaritana, não zomba de sua vida devassa, e nem a ameaça com fogo e enxofre. Isso ele fazer com pessoas religiosas, como os fariseus. Ele começa a conversa se interessando por sua busca por água, e também mostra que conhece suas necessidades e tem algo a oferecer. Pouco a pouco ele ajuda a mulher a reconhecer seus pecados e a desejar a água viva que ele oferece. Que água viva é essa? Você vai saber nos próximos 3 minutos.
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.