"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#186 A hora da ausencia



Leitura: João 8:21-25
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=NdPqLoObLdw

Durante séculos os judeus tinham esperado pelo Messias, aquele que fora prometido por Deus por intermédio dos profetas. Era para o Messias que todos os textos do Antigo Testamento apontavam, seja de forma explícita ou em figuras. Agora o Messias está bem ali, na frente deles.

Mas eles não o reconhecem. Pior do que isso, estão determinados a matá-lo e Jesus sabe que conseguirão cumprir seu intento. Por isso agora ele fala de sua ausência, que aqueles judeus o buscarão e não o acharão. Para onde ele vai é impossível eles irem também.

Os judeus pensam que ele está falando de suicidar-se, mas Jesus fala de seu sacrifício e também da ressurreição e ascensão ao céu, seu lugar de origem. Se você alguma vez já se sentiu frustrado ao ver uma pessoa partir para sempre, sem que você tivesse a oportunidade de resolver alguma demanda com ela, vai entender o que está acontecendo aqui.

Jesus revela a eles que sua rejeição irá selar o destino de cada um deles de uma vez para sempre. Jesus voltaria para o céu; eles permaneceriam no mundo até morrerem e serem condenados ao lago de fogo. Mas o quê exatamente eles precisam fazer para não ter esse destino? O versículo 24 é bem claro: "Se não crerdes que eu sou, morrereis em vossos pecados".

A expressão "eu sou" foi usada por Deus ao se revelar a Moisés. Este indagou quem era o que falava com ele, e a resposta de Deus, em Êxodo 3:14, foi: "Eu sou o que sou. Disse mais: Assim dirás aos filhos de Israel: Eu sou me enviou a vós". A expressão "eu sou" revelava a essência de Deus, aquele que existe em si mesmo, independente das coisas criadas. Jesus é Deus, é o "eu sou o que sou", e você também precisa crer nisto.

Outro detalhe importante desta passagem do evangelho de João é a diferença entre o que Jesus diz no versículo 21 e no 24. Primeiro ele diz aos judeus: "morrereis no vosso pecado", no singular. Depois ele diz: "morrereis em vossos pecados", plural.

Quando a Bíblia fala em "pecado", no singular, está se referindo à nossa natureza pecaminosa, aquela que herdamos de Adão. Quando aparece no plural são os frutos dessa natureza, nossas ações realizadas independentes da vontade de Deus. Não existe solução para aqueles que saem desta vida em uma condição de culpados, tanto por sua natureza, ou "pecado", como por seus atos rebeldes, ou "pecados".

O destino daqueles judeus foi selado ao não crerem em Jesus como o "eu sou", o próprio Deus, aquele que tem em si mesmo a existência. Jesus se ausentaria deles e eles ficariam eternamente ausentes de Jesus. E você, qual é o seu destino?

Nos próximos 3 minutos Jesus fala do dia em que seria levantado por aqueles mesmos judeus que falavam com ele.

#185 O lugar do tesouro



Leitura: João 8:13-20
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=dB3CWn0CbDI

Aparentemente os mesmos fariseus que um pouco antes queriam apedrejar a mulher adúltera voltam agora a confrontar Jesus. Eles voltam para confrontá-lo com suas próprias palavras do capítulo 5, quando ele disse: "Se eu testifico de mim mesmo, o meu testemunho não é verdadeiro".

O confronto ocorre no lugar do tesouro, o aposento do templo onde eram lançadas as ofertas para Deus, mas aqueles fariseus estão ali para lançar acusações contra o Filho de Deus. Em resposta, a primeira coisa que Jesus revela é que ele é a luz do mundo. A segunda, que quem o segue não anda em trevas, mas tem a luz da vida. Mas ele não para aí.

A Lei exigia que, para ser válido, um testemunho devia ser dado por duas ou mais pessoas. Jesus explica por que o seu testemunho é verdadeiro, ainda que aparentemente seja dado por apenas uma pessoa, ele próprio.

A primeira razão que ele apresenta é o fato de ser onisciente. Ele sabe de onde vem e para onde vai, algo que seus acusadores ignoram. Existe também algo sutil em sua afirmação, pois se ele veio ao mundo isto implica em sua pré-existência, algo que nenhum outro homem pode ter. Reconhecer que Jesus não apenas nasceu em um corpo de carne e ossos, mas que veio em carne, é reconhecer sua divindade.

Ele continua mostrando aos fariseus que eles não têm autoridade moral para julgá-lo, já que julgam segundo a carne, ou seja, de acordo com os interesses e desejos do homem natural. Acaso não foi o que ocorreu ao acusarem a mulher adúltera? Eles deliberadamente deixaram o homem adúltero fora da acusação de adultério. É preciso que existam duas pessoas para o ato se consumar e ocorrer o flagrante que os fariseus afirmavam ter ocorrido.

Jesus continua revelando que seu testemunho é corroborado pelo seu Pai que lhe enviou, portanto já não é apenas o testemunho de um só, mas de duas Pessoas da divindade. Não apenas seus milagres, mas também a voz do Pai que veio do céu por ocasião do batismo público de Jesus, corroboravam que ele era o Messias prometido. Mas eles também não aceitam o testemunho do Pai por não conhecê-lo, e Jesus revela que eles não conhecem o Pai por não conhecerem a Jesus, o Filho de Deus.

O que ele diz serve também para você: é impossível alguém conhecer o Pai sem conhecer a Jesus, o Filho. No primeiro capítulo do evangelho de João está claro que não basta pertencer à espécie humana para ser um filho de Deus e poder chamá-lo de Pai. Apenas os que creem no Filho de Deus podem ser chamados de filhos de Deus. Ser filho de Deus é um privilégio reservado apenas aos que um dia conhecem a Jesus como Senhor e Salvador.

Os judeus não conseguem prender Jesus ali porque ainda não tinha chegado sua hora. Nos próximos 3 minutos ele fala dessa hora.

#184 Baratas, aranhas e escorpioes



Leitura: João 8:12
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=lMf20Bfjy08

Fugir de Jesus é a reação natural de qualquer pecador. Foi assim no Éden depois que Adão pecou; é assim comigo e é assim com você. Somos como baratas, aranhas e escorpiões escondidos debaixo de uma pedra. Quando esta é levantada e a luz do sol revela o esconderijo, o jeito é correr para se esconder debaixo de outra pedra, longe da luz.

Fugimos da luz porque ela nos denuncia; revela nossa posição e condição. Nossa posição é naturalmente de separação, rebeldia e inimizade contra Deus. Nossa condição é de pecadores, transgressores das leis divinas e dignos de condenação. Numa situação assim, o que fazer senão fugir?

Como acontece com os fariseus deste capítulo, a presença de Jesus não só revela nossa posição e condição, como traz à tona nossa hipocrisia e a pretensão de nos acharmos capazes de mascarar nosso estado. Nessa hora religião, boas obras e autoafirmação são usadas para passar uma demão de cal neste sepulcro cheio de iniquidade que é cada um de nós.

Jesus diz: "Eu sou a luz do mundo; quem me segue não andará em trevas, mas terá a luz da vida". Seguir a Jesus é se expor à luz e deixar que revele toda a nossa imundície. Mas o fato de a sujeira vir à tona e inquietar nossa consciência não nos garante a salvação. Os fariseus que queriam apedrejar a adúltera ficaram com suas consciências inquietas, mas isso só serviu para afastá-los ainda mais de Jesus.

O remorso gerado por uma consciência culpada não necessariamente nos aproxima de Deus. Caim mostrou ter esse tipo de remorso ao confessar a Deus o seu pecado, dizendo: "É maior a minha maldade que a que possa ser perdoada. Eis que hoje me lanças da face da terra, e da tua face me esconderei".

Ele não estava arrependido do que fez e se acha até na posição de poder decidir sua pena. Deus não havia dito que sua maldade não poderia ser perdoada, e nem o expulsou da terra. Parece até muito conveniente Caim agora poder dizer "da tua face me esconderei". Afinal, esse é um desejo natural a todo ser humano: querer distância de Deus.

Pelo mesmo motivo aqueles fariseus se afastam de Jesus. Eles querem evitar que seja revelado o conteúdo de seus corações, virados ao avesso pela presença da Luz . E você, o que faz quando confrontado com Jesus? Fica ou foge? A carta aos Efésios diz que "tudo o que é exposto pela luz torna-se visível, pois a luz torna visíveis todas as coisas. Por isso é que foi dito: 'Desperta, tu que dormes, e levanta-te dentre os mortos e Cristo te iluminará".

Nos próximos 3 minutos Jesus continua ensinando em um aposento do Templo que leva um nome muito significativo para lições tão preciosas: o Lugar do Tesouro.

#183 O unico lugar seguro



Leitura: João 8:1-11
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=I6FSaJXRAlw

Enquanto o capítulo 7 do evangelho de João termina dizendo que cada um foi para sua própria casa, o capítulo 8 começa assim: "Porém Jesus foi para o monte das Oliveiras". É ali que ele passa a noite em oração. As raposas têm covis e os pássaros têm ninhos, mas Jesus não tem outro lugar para recostar a cabeça além do ombro do Pai.

Cedo de manhã ele já está no Templo de Jerusalém, ensinando o povo. Os escribas e fariseus querem fazer Jesus cair em contradição, por isso trazem a ele uma mulher "apanhada no próprio ato, adulterando". Eles lembram que a Lei de Moisés ordena que o adúltero seja morto por apedrejamento e querem saber a opinião de Jesus.

Se ele disser que a mulher não deve se apedrejada, eles o acusarão de ir contra a Lei de Moisés. Se apoiar o apedrejamento, estará negando que é o Salvador, além de desprezar a lei do invasor romano, o único que podia condenar alguém à morte.

Enquanto eles falam, Jesus escreve com o dedo na terra. Esta é a única obra de próprio punho escrita por Jesus da qual temos conhecimento. Ela foi apagada pelo vento há 2 mil anos. O que ele escreveu? Ninguém sabe.

Deus escreveu com o dedo em tábuas de pedra, quando deu a Lei aos israelitas, e a Lei não tinha o objetivo de salvar, mas de condenar. Em Jeremias 17, Deus afirma: "os que se apartam de mim serão escritos sobre a terra, porque abandonam o Senhor, a fonte das águas vivas". Estaria Jesus escrevendo os nomes dos que acusam a mulher?

A Lei de Moisés ordenava que ambos, homem e mulher, fossem apedrejados. Ao afirmarem que a mulher fora pega em flagrante adultério, eles se tornam culpados de transgredir a Lei por acusarem apenas a mulher. Estaria o adúltero entre eles?

Eles insistem e Jesus confirma que a Lei deve ser aplicada e a mulher apedrejada. Mas, aquele que estiver sem pecado que atire a primeira pedra. Com suas consciências culpadas eles se afastam, começando pelos mais velhos, com maior bagagem de pecados e maior reputação a zelar. Eles chegaram juntos, mas agora se afastam um a um, cada um por si.

Apenas a mulher permanece diante de Jesus, o único sem pecado que pode apedrejá-la. Mas ele não faz isso, pois não veio para condenar, mas para salvar. Um dia ele voltará para julgar, mas enquanto isso a palavra que ele tem para o pecador é a mesma que disse à mulher: "Nem eu também te condeno; vai-te e não peques mais".

Hoje o único lugar seguro para o pecador se refugiar é na presença de Jesus. Quando você se coloca diante dele na condição de réu culpado e merecedor do juízo de Deus, é perdão que você recebe, não condenação. Então por que continuar fugindo dele como fizeram os fariseus?

Nos próximos 3 minutos veremos por que as pessoas fogem de Jesus.

#182 Assumindo sua fe'



Leitura: João 7:40-53
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=K_B-yJimgnQ

As pessoas reagem de modo diferente em relação a Jesus. Neste capítulo alguns afirmam que ele é o Profeta. Talvez se lembrem das palavras de Moisés repetidas por Pedro em Atos 3: "O Senhor, vosso Deus, levantará dentre vossos irmãos um profeta semelhante a mim; a ele ouvireis em tudo quanto vos disser".

Outros acreditam que ele seja o Cristo, o Messias prometido para libertar o povo de seus inimigos. Mas há quem discorde, lembrando que o Cristo nasceria em Belém da Judeia, não na Galileia, e seria descendente do Rei Davi. Eles ignoram que Jesus realmente nasceu em Belém e que Maria, sua mãe, é da linhagem de Davi.

Os oficiais, que devem prendê-lo, não ousam fazê-lo. "Nunca homem algum falou assim como este homem", é a justificativa que dão aos sacerdotes e fariseus que os enviaram.

E você, qual é sua posição em relação a Jesus? Você o considera um mero profeta ou reconhece que ele é o próprio Verbo de Deus encarnado? Para você ele é um libertador político, ou você o tem como aquele que morreu para libertá-lo do pecado e da morte? Espero que você não seja dos que gostariam de vê-lo preso para deixar de incomodar sua consciência, ou dos que querem distância dele, com medo do que as pessoas iriam pensar ou dos prejuízos que uma proximidade poderia causar à sua reputação.

Em outra passagem Jesus avisa: "Se alguém se envergonhar de mim e das minhas palavras, o Filho do homem se envergonhará dele quando vier na glória de seu Pai com os santos anjos". Crer em Jesus em seu coração e confessar publicamente sua fé fará toda a diferença para você na eternidade.

Aqui vemos um homem que tinha tudo para se envergonhar de Jesus. É Nicodemos, que no capítulo 3 encontrou-se com ele de noite, com medo de ser visto em sua companhia. Homem rico e influente, em sua posição de membro do Sinédrio ou poder legislativo ele tinha muito a perder. Mais do que eu ou você. Mesmo assim, agora ele defende Jesus diante das outras autoridades, dizendo: "Porventura a nossa lei julga um homem sem primeiro ouvi-lo e ter conhecimento do que ele faz?"

Seus colegas o tratam com desdém. Mas você voltará a encontrá-lo no final, ajudando a retirar corpo de Jesus da cruz e preparando-o para a sepultura. Nem mesmo os apóstolos tiveram coragem de fazer isso. Muitos dos que falam de sua fé com desenvoltura quando tudo vai bem, simplesmente desaparecem ao menor sinal de perigo, com medo de perderem o que têm. E os que parecem ser os menos prováveis, são os que mais refletem a luz de Jesus na noite escura da adversidade.

Nosso capítulo termina dizendo: "E cada um foi para sua casa". Menos Jesus, que nos próximos 3 minutos encontraremos passando a noite ao relento, no Monte das Oliveiras.
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.