"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#365 Ai de voces



Leitura: Lucas 6:24-26
Vídeo: http://youtu.be/atPsTWe8Zqc

Após pronunciar quatro bênçãos sobre seus discípulos, que sofreriam a perda dos bens, fome, dor e rejeição pelo nome de Cristo, o Senhor lança quatro maldições ou "ais" sobre quatro classes de pessoas: os ricos, bem alimentados, felizes e invejados neste mundo.

"Ai de vocês, os ricos, pois já receberam sua consolação. Ai de vocês, que agora têm fartura, porque passarão fome. Ai de vocês, que agora riem, pois haverão de se lamentar e chorar. Ai de vocês, quando todos falarem bem de vocês, pois assim os antepassados deles trataram os falsos profetas" (Lc 6:24-26).

Não é difícil perceber que esta é exatamente a descrição dos ídolos deste mundo, os artistas e milionários invejados por todos. Não lhes faltam dinheiro, comida, entretenimento e a bajulação dos fãs. Mas como Jesus menciona os falsos profetas que pregavam o que o povo de Israel gostava de ouvir, as quatro maldições podem muito bem ser aplicadas aos falsos profetas milionários de nossos dias.

Dinheiro, sustento, prazer e prestígio são os apelos mais fortes deste mundo. Se a sua razão de viver forem estas coisas, estas maldições também são para você. Se a sua meta na vida for ficar rico, você poderá até conseguir o que deseja. Mas Jesus deixa claro que se a sua meta puder ser atingida nesta vida, então nada mais restará para você alcançar depois. Já terá recebido a sua recompensa.

Na eternidade, aqueles que aqui só se preocuparam com a fartura passarão por privações. Jesus disse que nem só de pão viveria o homem, indicando que só existiria um alimento capaz de realmente nos satisfazer: a Palavra de Deus. Mas você não irá desejá-la, a menos que caia em si e reconheça-se pecador e necessitado do Pão da vida que desceu do céu: Jesus.

Se você leva a vida como se estivesse vivendo numa grande Disneylândia, acabará chorando e se lamentando quando nada mais tiver para mantê-lo fora da realidade. O mundo é cheio de entretenimentos para desviar seus pensamentos da realidade que é inevitável. A qualquer momento Deus poderá encerrar sua oportunidade de ser salvo e você perderá o próximo capítulo da novela na TV.

Porém terá início a sua novela eterna, de um episódio só, em um lugar onde não existirão passatempos, pois não haverá tempo para passar. Só uma eternidade de solidão e dor, que não é em cores ou preto e branco. Apenas "trevas exteriores".

Nos próximos 3 minutos Jesus revela o que é amar na prática.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#364 Bem-aventurados os discipulos



Leitura: Lucas 6:20-23
Vídeo: http://youtu.be/x_1m-gaVaf8

Jesus começa dirigindo-se especificamente aos discípulos, ao proferir quatro bênçãos, antes de lançar quatro maldições aos ricos, fartos, amantes dos prazeres e da bajulação. A distinção que ele faz também serve para colocar uma linha divisória entre aqueles que seguem a Jesus e os que seguem os falsos profetas.

Primeiro ele diz: "Bem-aventurados vocês os pobres, pois a vocês pertence o Reino de Deus". Embora exista ali uma multidão que certamente inclui muitos pobres, ele não abençoa a pobreza. Ele diz "vocês os pobres", aos discípulos que deixaram tudo para segui-lo. Eles seguem a Jesus pelo que ele é, não pelas vantagens que possam obter. Prosperidade material, felicidade no amor e cura das enfermidades são os atrativos oferecidos pelos falsos profetas.

"Bem-aventurados vocês, que agora têm fome, pois serão satisfeitos". Mais uma vez ele diz "vocês", aos discípulos que haviam deixado o sustento garantido em um negócio pesqueiro ou num emprego público na coletoria, para dependerem 100% de Jesus. Comer grãos de trigo colhidos e debulhados à mão nos campos enquanto caminhavam com Jesus não é o que você chamaria de uma mesa farta.

"Bem-aventurados vocês, que agora choram, pois haverão de rir". Por causa do nome de Jesus aqueles discípulos e os que viriam depois sofreriam rejeição, dor e sofrimento num mundo hostil. E ainda chorariam pelo estado arruinado da Criação e por tantos que rejeitam a salvação e se perdem eternamente.

"Bem-aventurados serão vocês, quando os odiarem, expulsarem e insultarem, e rejeitarem o nome de vocês, como sendo mau, por causa do Filho do homem. Regozijem-se nesse dia e saltem de alegria, porque grande é a recompensa de vocês no céu. Pois assim os antepassados deles trataram os profetas". Odiados, expulsos, insultados, difamados, tudo isso por causa de Jesus. Se você busca a Cristo para ser alguém rico e famoso, me desculpe mas você está buscando o Cristo errado.

Embora Deus se preocupe com os pobres, famintos, sofredores e perseguidos, não é este o assunto aqui. Jesus não chama de bem-aventurados a todos os pobres, inclusive os que não gostam de trabalhar ou que gastaram tudo o que tinham. Nem os que padecem de fome ou sofrem em consequência de estiagens, pragas, epidemias, enchentes ou guerras. Também não está falando de perseguidos políticos. Ele está falando dos discípulos que sofrem tudo isso por causa do nome de Jesus. Eles terão por recompensa um Reino, serão saciados, saltarão e rirão de alegria, não na terra, mas no céu.

Nos próximos 3 minutos Jesus lança quatro maldições, agora sim falando ao público em geral.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#363 Os transgressores da Lei



Leitura: Lucas 6:6-19
Vídeo: http://youtu.be/n796zJ7zxZg

Mais um sábado, e mais uma vez os religiosos tentam acusar Jesus de transgredir a Lei, mas agora são eles os transgressores. No sábado anterior Jesus havia revelado sua Pessoa, o verdadeiro Davi e Messias de Israel, e sua posição de Senhor do sábado. Agora ele irá demonstrar seu poder de curar um homem com a mão direita atrofiada. Tal é o estado de Israel, com a mão tão mirrada que já não é capaz de fazer o bem ou exercer misericórdia.

Os membros do clero estão curiosos para ver se Jesus irá curar o enfermo no sábado, e Lucas revela aqui mais um atributo divino de Jesus: ele é capaz de ler os pensamentos dos fariseus e atende a curiosidade deles. Ele pede ao enfermo que se levante e venha para o meio da sinagoga onde todos possam vê-lo. Então Jesus pergunta aos fariseus e mestres da Lei: "O que é permitido fazer no sábado: o bem ou o mal, salvar a vida ou destruí-la?" (Lc 6:9).

Ninguém se arrisca a responder. Se disserem que é permitido fazer o bem no sábado, então nada impede que o homem seja curado. Se disserem que fazer o mal ou tirar a vida de alguém seria transgredir o mandamento, estarão condenando a si mesmos, pois estão tramando como entregarão Jesus à morte.

"Estenda a mão", ordena Jesus, e a mão do homem é restaurada. Mas, ao invés de palavras de louvor e gratidão, os religiosos ficam ainda mais furiosos e passam a conspirar contra Jesus, transgredindo assim eles próprios o sábado.

É significativo Lucas dizer que Jesus subiu ao monte para orar e passou a noite em oração. Ele convida seus discípulos a estarem naquele lugar elevado, e é ali que escolhe os que serão seus apóstolos, homens que o seguirão e depois serão responsáveis pelo alicerce da igreja. Judas Iscariotes, o traidor, seria mais tarde substituído por Matias, que igualmente viu a Jesus e sua ressurreição. Paulo é o décimo terceiro apóstolo, nascido fora de época e chamado por Jesus já ressuscitado no céu.

Para ser um apóstolo era necessário ter visto o Senhor, ter sido escolhido por ele, e ser testemunha de sua ressurreição. Qualquer um que adote o título de "apóstolo" hoje é um impostor. Não viu o Senhor, não foi escolhido por ele e nem testemunhou sua ressurreição. Mas os apóstolos não eram os únicos discípulos, pois vemos que eles descem do monte em direção à planície, onde estão muitos de seus discípulos e uma grande multidão em busca de seus ensinamentos e cura para suas doenças. A prova de que Jesus é Deus está em seu poder ilimitado. Lucas escreve que "dele saía poder que curava a todos" (Lc 6:19).

Nos próximos 3 minutos Jesus irá proferir quatro bênçãos e quatro maldições.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#362 O Senhor do sabado



Leitura: Lucas 6:1-5
Vídeo: http://youtu.be/D6dyg8cXUNQ

Como das outras vezes, Jesus é perseguido e criticado, não por criminosos ou prostitutas, mas pelo clero religioso. Os mesmos que conheciam as Escrituras as manipulavam ao seu bel prazer. Eles simplesmente passavam por alto a Palavra de Deus sem dar importância a ela sempre que isso fosse conveniente. Porém, quando seu poder e domínio sobre as pessoas eram ameaçados, eles empunhavam o bordão da Lei para trazer suas ovelhas de volta ao curral. Mas aqui eles estão falando com ninguém menos que o próprio Autor das Escrituras.

A razão das criticas que os fariseus agora fazem é que os discípulos de Jesus atravessavam um campo de trigo e, enquanto caminhavam, iam arrancando as espigas para comer os grãos, separados da palha pelo esfregar das mãos. Os fariseus não questionam o fato de colherem as espigas, pois a Lei permitia a um transeunte se alimentar da plantação alheia desde que o fizesse com as mãos, e não com uma foice. O que os religiosos questionam é eles estarem fazendo aquilo no sábado, o dia determinado por Deus para o descanso dos judeus.

Os fariseus conhecem a letra da Lei, mas não o Deus que lhes deu a Lei. Ao dar um dia de descanso Deus estava preocupado com o bem estar de suas criaturas. Jesus responde: "Vocês nunca leram o que fez Davi, quando ele e seus companheiros estavam com fome? Ele entrou na casa de Deus e, tomando os pães da proposição, comeu o que apenas aos sacerdotes era permitido comer, e os deu também aos seus companheiros" (Lc 6:3-4). Jesus coloca a sobrevivência do homem acima das minúcias da Lei. Afinal, tudo -- o campo, o trigo e o sábado -- haviam sido criados para o homem, e não o contrário.

A sobrevivência de Davi, o rei rechaçado por Saul, era mais importante do que as formalidades do templo. E na Bíblia Davi é uma figura de Cristo, o mesmo Messias que vem sendo repetidamente atacado pelo clero. "O Filho do homem é Senhor do sábado", explica Jesus. Os fariseus deviam saber que Deus havia colocado o homem como cabeça de toda a Criação, porque isso estava mais do que explicado no livro de Gênesis. Agora eles têm ali o "Filho do homem", título que revela a humanidade de Jesus, o Homem perfeito, que no seu devido tempo terá tudo sob seus pés. Ele é indiscutivelmente Senhor do sábado e de tudo mais.

Quem já trabalhou numa empresa onde existe um gerente que detesta ter em sua equipe alguém mais inteligente ou capaz do que ele sabe como se sentem esses líderes religiosos. A liderança deles está sendo ameaçada por um intruso que tem a audácia de contestar a interpretação que eles dão das Escrituras. Eles não se importam com a saúde e o bem estar de seus liderados, desde que não percam a posição que ocupam de pastores do povo de Deus e sua autoridade não seja contestada. Mas são pastores que se apascentam a si mesmos, como Jesus lhes mostrará nos próximos 3 minutos.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#361 Velho X Novo



Leitura: Lucas 5:36-39
Vídeo: http://youtu.be/P7YWp-0nnUA

Jesus diz a eles uma parábola: "Ninguém tira um pedaço de uma roupa nova para a coser em roupa velha, pois romperá a nova e o remendo não condiz com a velha. E ninguém deita vinho novo em odres velhos; de outra sorte o vinho novo romperá os odres, e entornar-se-á o vinho, e os odres se estragarão; Mas o vinho novo deve deitar-se em odres novos, e ambos juntamente se conservarão" (Lc 5:36-39).

Esta parábola explica a impossibilidade de se misturar Lei e graça. O contexto aqui é a comparação que os fariseus fazem entre os discípulos de João Batista, que pertencem à velha ordem de coisas, e os discípulos de Jesus, que o recebem com a alegria de uma noiva na companhia de seu noivo.

É impossível fazer os princípios da graça se encaixarem no velho sistema da Lei. Não se tira um pedaço do novo para costurar no velho; a graça e a Lei nunca poderão andar juntas. De igual modo ninguém colocaria vinho novo, ainda em fermentação, em um velho saco de couro que guardou vinho velho e já não tem a elasticidade necessária para o novo. O vinho novo precisa ser colocado em um odre novo para que ambos se conservem.

O que é novo tem uma energia que é destrutiva quando em contato com a velha ordem de coisas. Sempre que alguém tenta juntar Lei e graça acaba ficando sem nenhuma delas: a Lei deixa de ser Lei e a graça deixa de ser graça. O cristianismo é algo completamente novo que vem de uma revelação direta de Deus. Não é um conjunto de regras, ordenanças, cerimonias, objetos sagrados, clero, templo, altares e tantas coisas que faziam parte da antiga dispensação dada a Israel.

Mas será que o homem quer a "roupa nova"? Será que ele aprecia o "vinho novo"? Não, e a prova disso é que a maioria das religiões cristãs não passa de adaptações do judaísmo, com maior ou menor grau de elementos judaicos costurados em sua adoração, ofícios e instalações. Jesus complementa seu discurso dizendo: "E ninguém tendo bebido o velho quer logo o novo, porque diz: Melhor é o velho" (Lc 5:39).

Sem dúvida, a velha ordem de coisas do legalismo judaico é mais adequada ao homem no seu estado natural. Mas a graça é sobrenatural. É apenas pela fé que alguém consegue enxergar que a graça é tão adequada a Deus quanto ao novo homem. Mas o homem, em sua carne, irá perguntar: "O que posso fazer? O que não posso fazer?". Por ainda não ter em si a nova vida, ele irá se apegar ao velho sistema da Lei, do tipo "Faça isso!", "Não faça aquilo!", que é mais condizente com sua velha natureza. Por isso ele dirá: "Melhor é o velho".

Nos próximos 3 minutos os religiosos fariseus querem o sábado, mas sem o Criador do sábado.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#360 Adulterio e divorcio



Leitura: Lucas 5:30-35
Vídeo: http://youtu.be/W6JqTcXpC0k

A primeira crítica dos judeus religiosos contra Jesus é por ele ter aceitado o convite de Levi, o odiado coletor de impostos, para comer com publicanos e pecadores. Jesus explica que foi para isso que veio ao mundo: "Não são os que têm saúde que precisam de médico, mas sim os doentes" (Lc 5:31-32). Se os fariseus não se consideram doentes então não há cura para eles.

Se você se considera justo aos olhos de Deus, você é da turma dos fariseus. Você se reconhece pecador? Então você é da turma de Levi e tem o privilégio de poder crer em Jesus e ser salvo de seus pecados. A única condição para alguém ser salvo é ser pecador e reconhecer-se assim. "Eu não vim chamar justos, mas pecadores ao arrependimento", diz Jesus àqueles religiosos judeus.

Eles continuam criticando Jesus ao compararem seus discípulos, que comem e bebem alegremente, com os discípulos de João Batista, que jejuam muitas vezes e fazem orações. A resposta de Jesus deixa claro que eles ainda não percebem que ele é Jeová, o esposo de Israel anunciado pelo profeta Isaías, que disse: "O seu Criador é o seu marido" (Is 54:5).

A atitude dos discípulos de Jesus, que esperavam pelo Messias, é a mesma da mulher do livro de Cantares, apaixonada pelo Rei e alegre por estar perto dele. Ela diz: "Leve-me o Rei para os seus aposentos! Estamos alegres e felizes por sua causa; celebraremos o seu amor mais do que o vinho" (Ct 1:4). Era nesse espírito que todos os judeus deveriam ter recebido Jesus, o Messias. No entanto Israel rejeitou seu esposo e Rei, e adulterou com os ídolos e povos da terra.

É por isso que os profetas anunciaram o divórcio entre Deus e seu povo. Chamando de Israel as dez tribos levadas em cativeiro, e de Judá as duas remanescentes, Deus deu a sentença, através do profeta Jeremias: "Dei à infiel Israel uma certidão de divórcio e a mandei embora, por causa de todos os seus adultérios. Entretanto, a sua irmã Judá, a traidora, também se prostituiu" (Jr 3:8). E Oséias acrescentou: "Vocês não são meu povo, e eu não sou seu Deus... Repreendam-na, pois ela não é minha mulher, e eu não sou seu marido" (Os 2:2).

No capítulo 11 da carta de Paulo aos romanos o apóstolo explica essa rejeição temporária de Israel como sendo a janela de oportunidade para a salvação dos gentios. Ele diz: "Por causa da transgressão deles, veio salvação para os gentios, para provocar ciúme em Israel" (Rm 11:11). E Jesus agora avisa que, apesar de seus discípulos estarem alegres, "o noivo lhes será tirado" e eles se entristecerão. Ele anuncia assim a sua morte.

Mas nos próximos 3 minutos Jesus irá explicar melhor por que é impossível conciliar a graça com o velho sistema da Lei do Antigo Testamento.


(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#359 De rejeitado a rejeitado



Leitura: Lucas 5:27-29
Vídeo: http://youtu.be/dzFW6tCXlkA

O que você faria se tivesse um bom emprego público para garantir uma vida próspera e uma aposentadoria tranquila? Levi é assim. O problema dele está justamente em sua profissão. Coletar impostos numa nação invadida significa tirar dinheiro de seu próprio povo para entregá-lo ao inimigo romano. Aos olhos dos judeus a profissão de Levi é tão respeitada quando a de uma prostituta.

Mas isso está para mudar. Se Levi pensa que seu emprego é desprezível espere até ele descobrir o que é seguir a Jesus. Ele promove um banquete em sua casa e convida a Jesus, além de outros publicanos, a escória da sociedade aos olhos dos religiosos judeus. Não sabemos quantos deles acabariam seguindo o Salvador, mas é fácil entender que tenham sido até mais desprezados por se associarem a Jesus. E hoje, o que acontece com aqueles que creem em Cristo?

Depois que o imperador Constantino transformou o império romano em um império cristão por decreto, ser cristão ganhou status. As pessoas se tornavam cristãs, ou porque eram obrigadas, ou por outros interesses. Mas, com o tempo os cristãos genuínos passaram a ser vistos como um estorvo, e é por isso que a história está repleta de casos de cristãos perseguindo cristãos. E hoje? Bem, é bom você entender que ser cristão pode implicar perder amigos e ser mal visto.

Veja Jesus, o Homem perfeito. Ele não tinha onde repousar a cabeça e seu espólio, quando morreu, não passava da roupa do corpo. E Paulo, o apóstolo? Se você ler o capítulo 11 de 2 Coríntios verá que muitas vezes ele foi preso, açoitado, apedrejado, assaltado e perseguido; passou noites acordado com fome, frio e falta de roupas. Além de tudo ainda sofria com um "espinho na carne", algo que Deus permitiu que o afligisse para ele não se gloriar das revelações que recebeu.

Em sua oração Jesus já havia previsto como seria a vida do cristão em um ambiente hostil como é este mundo. Ele intercedeu pelos seus com estas palavras: "Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou. Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno. Eles não são do mundo, como eu também não sou" (Jo 17:14-16).

Portanto não espere tapinhas nas costas por ser cristão. Jesus foi rejeitado e o mundo ainda odeia a Cristo e aos cristãos, e a maior aversão pode vir do mundo religioso. Foram os religiosos judeus que rejeitaram Jesus e o entregaram à morte. Foram os religiosos cristãos que por séculos derramaram o sangue de cristãos genuínos. E são os religiosos neste capítulo que irão criticar Jesus por ter entrado na casa de Levi, um homem agora duplamente rejeitado em sua sociedade.

A resposta que Jesus dá aos religiosos judeus revela um antigo caso de infidelidade. Veja nos próximos 3 minutos.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#358 Perdao de pecados



Leitura: Lucas 5:17-26
Vídeo: http://youtu.be/kFNL2uHuDYk

Até que ponto você chegaria para salvar um amigo? Estou falando com você, que já tem a salvação assegurada pela fé em Jesus e em sua obra na cruz. O que você estaria disposto a fazer para seu amigo não ser condenado a uma eternidade de sofrimento, trevas e isolamento? Esqueça a imagem de um inferno lotado, com o diabo espetando todos com um garfo. Sofrimento, trevas e solidão; sem amigos, parentes e, principalmente, sem Deus. Este é o destino dos perdidos.

Mas o paralítico que encontramos no capítulo 5 de Lucas tem amigos em número suficiente para levá-lo até Jesus. A dificuldade surge quando percebem que há tantos curiosos que é impossível chegar à porta da casa carregando o paralítico na maca. A solução é subir ao telhado, remover umas telhas e baixar a maca por meio de cordas. Que visão aquela: um paralítico sendo baixado bem no meio do cômodo onde Jesus está!

Lucas descreve a reação de Jesus: "Vendo a fé que eles tinham, Jesus disse: 'Homem, os seus pecados estão perdoados'" (Lc 5:20). Percebe que o texto não diz que Jesus viu a fé do paralítico, mas daqueles homens? Sem excluir a fé do paralítico, que se deixou levar até ali, a fé dos amigos teve um papel importante na salvação e cura daquele homem. Isto é um consolo se você tem amigos e parentes que ainda não estão salvos. Deus está atento à sua oração e intercessão por aqueles que você ama. Jesus sabe até que ponto você é capaz de chegar para levá-los à presença dele para receberem palavras de perdão e cura.

Primeiro Jesus diz ao paralítico: "Homem, os seus pecados estão perdoados". Muita gente vai atrás de Jesus em busca de cura, sem se dar conta de que a cura mais necessária é a da alma, arruinada pelo pecado. Achamos que o doente, ou quem não tem sorte no amor, ou o que passa por dificuldades financeiras é quem está numa pior. E que uma pessoa saudável, que encontrou sua cara metade e está nadando em dinheiro vive sem problemas. Mas ninguém está com a vida resolvida enquanto viver em um corpo arruinado pelo pecado, sem um relacionamento com Jesus e devendo mundos e fundos para Deus.

Os membros do clero ficam chocados com a audácia de Jesus, que afirma que os pecados do paralítico estão perdoados. Eles exclamam: "Quem é esse que blasfema? Quem pode perdoar pecados, a não ser somente Deus?" (Lc 5:21). Antes que aqueles homens digam que é fácil falar sem dar provas concretas de que tem poder para isso, Jesus ordena ao paralítico: "Levante-se, pegue sua maca e vá para casa" (Lc 5:24). E é o que o homem faz. Para a surpresa de todos, ele sai dali andando e louvando a Deus por sua salvação.

Nos próximos 3 minutos Jesus convida um pecador e é convidado por ele.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#357 Sacerdotes, sacrificios e Lei



Leitura: Lucas 5:14-16
Vídeo: http://youtu.be/KEuSuqbxux0

Jesus ordena ao leproso que acabara de curar: "Não conte isso a ninguém". Por que pedir que ele não divulgue a cura? Para não atrair multidões interessadas em milagres. As curas e sinais que Jesus faz nos evangelhos servem para revelar suas credenciais de Messias, mas não são elas a razão de sua vinda ao mundo. O mundo não precisava de um curandeiro, o mundo precisava de um Salvador.

A Lei dada por Moisés não podia curar o leproso, mas Deus sim. Por isso neste capítulo 5 do Evangelho de Lucas nós veremos Jesus, não apenas curando, mas também perdoando os pecados de um paralítico. É de Jesus que o Salmo 103 diz: "É ele que perdoa todos os seus pecados e cura todas as suas doenças, que resgata a sua vida da sepultura e o coroa de bondade e compaixão, que enche de bens a sua existência" (Sl 103:3-5). A promessa era primeiramente para Israel.

Jesus aconselha o homem curado de lepra: "Vá mostrar-se ao sacerdote e ofereça pela sua purificação os sacrifícios que Moisés ordenou, para que sirva de testemunho". A Lei não podia curar, mas instruía como proceder em caso de lepra, e Jesus, Deus e Homem, cura e também respeita a Lei. Por isso ordena que o homem curado apresente-se ao sacerdote e ofereça sacrifícios segundo a Lei.

Nada disso faria sentido hoje. Não temos um Templo, não temos sacerdotes descendentes de Aarão, e não viajamos a Jerusalém para sacrificar animais. Já deu para perceber que o que vemos nos evangelhos ainda está num contexto de judaísmo? Porém, Paulo, em sua carta aos Romanos, apresenta o evangelho da graça de Deus: "Vocês não estão debaixo da lei, mas debaixo da graça" (Rm 6:14).

Jesus foi rejeitado por Israel e entregou sua vida como sacrifício pelo pecado, nos resgatando da maldição da Lei e inaugurando uma nova maneira de Deus se relacionar com o homem. Nos Evangelhos ainda temos os rituais e ordenanças, porém a ordem agora é: "Saiamos até ele [Jesus], fora do acampamento [ou sistema judaico], suportando a desonra que ele suportou. Pois não temos aqui nenhuma cidade permanente, mas buscamos a que há de vir. Por meio de Jesus, portanto, ofereçamos continuamente a Deus um sacrifício de louvor, que é fruto de lábios que confessam o seu nome" (Hb 13:13-15).

Os sacrifícios que o cristão oferece a Deus não tem qualquer ligação com a adoração exterior encontrada no Antigo Testamento. Infelizmente muitos cristãos não entendem isso e tentam emprestar do judaísmo elementos que nada têm a ver com cristianismo. Quais? Templos, altares, cleros, sacerdotes, ordenação de líderes, vestes cerimoniais, corais, instrumentos musicais, levitas, dízimos, sábados, orações decoradas, adorações ensaiadas, feriados religiosos... a lista é imensa. Será que você adora a Deus em um lugar com todas essas coisas?

Nos próximos 3 minutos Jesus faz algo que só Deus é capaz de fazer.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.