"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#390 Liberto!



Leitura: Lucas 8:34-39
Vídeo: http://youtu.be/ORZ4mqbLkWU

O povo da cidade é avisado do que aconteceu com os porcos e vai conferir. "O homem de quem haviam saído os demônios estava assentado aos pés de Jesus, vestido e em perfeito juízo" (Lc 8:35). Antes ele vivia nu entre os sepulcros, e nem as correntes podiam deter sua força descomunal. Que triste figura do pecador sem Deus e sem esperança: nu, controlado por demônios e vivendo nos lugares de morte e solidão. Agora ele tem prazer em ficar aos pés de Jesus.

Sempre que Cristo liberta um pecador há alegria no céu diante dos anjos de Deus. Mas aqui a libertação deste homem é motivo de tristeza para as pessoas da região. Eles amam mais seus porcos, e devem ter feito as contas de quanto perderiam se Jesus continuasse ali libertando pessoas do poder das trevas. O mesmo acontece hoje, quando os incrédulos lamentam por um parente ou amigo que se converte a Cristo. Acham um desperdício, preferiam vê-lo perdido.

O povo suplica que Jesus saia dali, e ele atende seu pedido. Se o homem endemoninhado representa aqueles que a sociedade rejeita, por estarem dominados pelo mal, os cidadãos de Gadara não são diferentes dele. Assim como acontece com os demônios, todos têm igualmente aversão a Jesus. Se você é desses que odeiam ouvir falar de Jesus, apesar de levar uma vida correta e normal aos olhos da sociedade você também quer ver Jesus pelas costas. Não se preocupe; por enquanto ele vai atender seu desejo. Mas isto apenas adiará seu encontro com ele, como os demônios quiseram adiar serem lançados no abismo.

"O homem de quem haviam saído os demônios suplicava-lhe que o deixasse ir com ele; mas Jesus o mandou embora, dizendo: 'Volte para casa e conte o quanto Deus lhe fez'. Assim, o homem se foi e anunciou a toda a cidade o quanto Jesus tinha feito por ele" (Lc 8:38-39). É assim que o reino de Deus se expande: por meio daqueles que experimentaram a graça de Deus e foram salvos. Estes não são tirados do convívio com os incrédulos para irem morar em um mosteiro no alto de uma montanha. Eles são deixados no mesmo lugar onde viviam escravizados pelo pecado para testemunharem do que Jesus fez com eles.

Essa obra, que traria tanta glória para Deus, começou com um ataque direto de Satanás contra Jesus e seus discípulos enquanto atravessavam o lago. Não foi diferente em Éfeso, cujos cristãos eram dirigidos pelo "príncipe do poder do ar" antes de se converterem. Paulo faz menção disso em sua primeira carta aos Coríntios, quando diz: "Permanecerei em Éfeso até o Pentecoste, porque se abriu para mim uma porta ampla e promissora; e há muitos adversários" 1 Co 16:8). Enquanto Cristo estava no mundo, era ele o alvo da oposição dos adversários. Agora são os cristãos. Mas nada, absolutamente nada, pode impedir Deus de agir. Nem Satanás manipulando o ar, nem uma legião de demônios.

Nos próximos 3 minutos uma mulher não pede a Jesus para ser curada.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#389 Milhares de demonios



Leitura: Lucas 8:26-33
Vídeo: http://youtu.be/SajJbnJvCcg

"Quando Jesus pisou em terra, foi ao encontro dele um endemoninhado daquela cidade. Fazia muito tempo que aquele homem não usava roupas, nem vivia em casa alguma, mas nos sepulcros. Quando viu Jesus, gritou, prostrou-se aos seus pés e disse em alta voz: 'Que queres comigo, Jesus, Filho do Deus Altíssimo?'". Um pouco antes os discípulos ainda não sabiam realmente quem era Jesus, e perguntavam entre si, "Quem é este?". Agora a legião de demônios que possui este homem sabe quem ele é e o chama pelo nome. Na Bíblia os únicos que se dirigem a Jesus sem chamá-lo de Senhor são os demônios.

Satanás tinha causado o vendaval no lago, que Jesus aplacou com uma palavra. Em Efésios Satanás é chamado de "príncipe do poder do ar" (Ef 2:2) e no primeiro capítulo do livro de Jó descobrimos que seus dez filhos foram mortos pelo diabo quando a casa caiu sobre eles. O que derrubou a casa? "Um vento muito forte veio do deserto e atingiu os quatro cantos da casa, que desabou" (Jó 1:19).

No evangelho de Mateus estes mesmos demônios suplicam: "Que queres conosco, Filho de Deus? Vieste aqui para nos atormentar antes do devido tempo?" (Mt 8:29). Eles sabem que um dia serão lançados no abismo, a prisão que antecede o lago de fogo. Por isso Satanás quis impedir Jesus de chegar ali com seus discípulos. Os demônios rogam a Jesus uma alternativa momentânea para o abismo, e Jesus lhes permite que saiam do homem e entrem numa manada de porcos perto dali. Os demônios fazem com os porcos aquilo que queriam fazer com Jesus e seus discípulos quando atravessavam o lago. Afogá-los.

Para quem crê em Jesus e tem sua salvação assegurada pelo sangue derramado na cruz, não há razão para temer os demônios. Eles não podem possuir quem já é propriedade do Espírito Santo, e se porventura Satanás causar qualquer dano a um crente, primeiro ele precisou obter uma autorização de Deus, como aconteceu com Jó. E se Deus autorizou é por saber que esse mal resultará em bem.

E quem não crê? Bem, o incrédulo está na condição descrita por Paulo, ao falar de como viviam os cristãos de Éfeso antes da conversão: "Vocês estavam mortos em suas transgressões e pecados, nos quais costumavam viver, quando seguiam a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar, o espírito que agora está atuando nos que vivem na desobediência". O incrédulo pode não estar incorporado por uma legião de demônios, mas, usando o jargão popular, ele "vive do jeito que o diabo gosta". O incrédulo segue "a presente ordem deste mundo e o príncipe do poder do ar... satisfazendo as vontades da carne, seguindo os seus desejos e pensamentos" (Ef 2:1-3).

A libertação está em Jesus, e ela é bem real, como veremos nos próximos 3 minutos.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#388 Um barco em perigo



Leitura: Lucas 8:22-25
Vídeo: http://youtu.be/cRxIm4Z2rWc

O rompimento de Jesus com seus laços familiares é seguido de uma tempestade. Aqueles que foram os primeiros ou únicos a se converterem em uma família de incrédulos sabem muito bem o que isto significa. A tempestade realmente vem, e aqui ela precede um embate direto com uma legião de demônios na terra dos gadarenos. É para lá que Jesus quer ir, e convida os discípulos a entrarem com ele no barco e partirem naquela direção.

"Enquanto navegavam, ele adormeceu. Abateu-se sobre o lago um forte vendaval, de modo que o barco estava sendo inundado, e eles corriam grande perigo" (Lc 8:22-23). Se você se surpreende por enfrentar tempestades em sua vida depois de convertido, não se espante: o fato de Jesus estar no barco não significa que você terá uma vida calma e tranquila. Lembre-se de que, assim como os discípulos, você navega agora em um ambiente hostil, que é o mundo.

"Os discípulos foram acordá-lo, clamando: 'Mestre, Mestre, vamos morrer! '". Enfrentar dificuldades com Cristo no barco é normal; temer a morte e o juízo eterno não é normal se você já creu em Jesus. Quem já foi salvo jamais se perderá eternamente; a salvação é irrevogável. Embora muitos líderes religiosos ensinem o contrário, principalmente pelo receio de perderem seus seguidores, a salvação eterna daquele que verdadeiramente crê em Jesus é um fato consumado.

Se você duvida do que estou dizendo, então acredite no que Jesus diz: "As minhas ovelhas ouvem a minha voz; eu as conheço, e elas me seguem. Eu lhes dou a vida eterna, e elas jamais perecerão; ninguém as poderá arrancar da minha mão. Meu Pai, que as deu para mim, é maior do que todos; ninguém as pode arrancar da mão de meu Pai". Quer mais? "Quem ouve a minha palavra e crê naquele que me enviou, tem a vida eterna e não será condenado, mas já passou da morte para a vida" (Jo 5:24).

Duvidar disso é fazer o que os discípulos fazem aqui ao acharem que vão morrer no mesmo barco em que está o autor da vida. Jesus acorda, repreende o vento e a violência das águas e tudo fica calmo e tranquilo. Então ele pergunta aos discípulos: "Onde está a sua fé?". Atemorizados, os discípulos perguntam: "Quem é este que até os ventos e às águas dá ordens, e eles lhe obedecem?". Eles andavam com Jesus, mas não o conheciam. E você, conhece a Jesus? Já creu nele como seu Salvador? Confia que seus pecados foram todos pagos por ele lá na cruz e agora pode desfrutar de paz com Deus? Ou ainda está tentando negociar com Deus uma salvação baseada em suas obras e perseverança? Se for assim, você não confia em Cristo, você confia em si próprio.

Nos próximos 3 minutos Jesus enfrenta uma legião de demônios. Quantos eram numa legião? Segundo os padrões romanos, entre mil e oito mil soldados.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#387 O fim dos vinculos naturais



Leitura: Lucas 8:19-21
Vídeo: http://youtu.be/Fk79vxREchM

A mãe e os irmãos de Jesus vão ao encontro dele, mas não conseguem entrar na casa por causa da multidão. O que será que Maria e seus outros filhos querem com Jesus? No evangelho de Marcos temos mais detalhes deste episódio: "Quando seus familiares ouviram falar disso, saíram para apoderar-se dele, pois diziam: 'Ele está fora de si'... Então chegaram a mãe e os irmãos de Jesus. Ficando do lado de fora, mandaram alguém chamá-lo" (Mc 3:21, 31).

O recado de Jesus aos que o chamam revela uma guinada em seu ministério: "Minha mãe e meus irmãos são aqueles que ouvem a palavra de Deus e a praticam" (Lc 8:21). Aqui ele rompe os vínculos naturais da carne e passa a considerar como família os que ouvem e obedecem a Palavra. Trata-se de uma família que não é formada pelos que nasceram da carne, mas de Deus. "O que nasce da carne é carne, mas o que nasce do Espírito é espírito" (Jo 3:6).

Nossos vínculos naturais podem comprometer a obediência à verdade. Um médico não deve operar um parente próximo, como cônjuge, pais ou filhos, pois suas emoções naturais podem interferir e causar um dano maior. Nosso discernimento espiritual é prejudicado quando julgamos as coisas pelos vínculos naturais. A família de Jesus ainda o trata segundo a carne. Seus irmãos ainda não creem nele e acham que ele esteja sofrendo de alguma insanidade. No evangelho de João lemos que "nem mesmo seus irmãos criam nele" (Jo 7:5).

Em sua segunda carta aos cristãos em Corinto Paulo escreve que "de agora em diante a ninguém mais conhecemos do ponto de vista humano" -- ou segundo a carne. "Ainda que antes tenhamos conhecido a Cristo dessa forma, agora já não o conhecemos assim" (2 Co 5:16). Apesar da importância que Deus dá aos laços de família, não devemos nos esquecer de que a queda do homem também envolveu um vínculo familiar: o amor natural que Adão tinha por Eva, sua esposa.

A história você conhece: A serpente argumentou com Eva que Deus não era bom ao proibi-la de comer daquela árvore. Então Eva "tomou do seu fruto, comeu-o e o deu a seu marido, que comeu também" (Gn 3:6). O apóstolo Paulo explica que "Adão não foi enganado, mas sim a mulher" (1 Tm 2:14). Adão amava tanto sua esposa que quis ser tão culpado quanto ela. Por amor ele comprometeu a verdade.

O apóstolo João endereça sua terceira epístola "ao amado Gaio, a quem amo na verdade" (2 Jo 1:1; 3 Jo 1:1). Verdade e amor se complementam. É "seguindo a verdade em amor" que crescemos "naquele que é a cabeça, Cristo" (Ef 4:15). É pela "obediência à verdade, visando ao amor fraternal e sincero" que purificamos nossa vida (1 Pd 1:22). Jesus andou aqui "cheio de graça e de verdade" (Jo 1:14). A verdade sem amor oprime, porém o amor sem verdade engana.

Nos próximos 3 minutos um barco corre o risco de naufragar.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#386 Nada oculto



Leitura: Lucas 8:17-18
Vídeo: http://youtu.be/V7YAR8eF6hg

"Não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz. Portanto, considerem atentamente como vocês estão ouvindo. A quem tiver, mais lhe será dado; de quem não tiver, até o que pensa que tem lhe será tirado" (Lc 8:17-18). O Senhor Jesus conclui assim a parábola do Semeador. Aos olhos de Deus a nossa vida é um livro aberto. Você pode guardar um segredo aqui e ali, mas cedo ou tarde ele virá à tona. Deus traz tudo à luz, tanto para nossa bênção, como para nossa disciplina e correção.

Nas cartas às sete igrejas de Apocalipse, aquele cujos olhos são como "chama de fogo" (Ap 1:14) declara a cada igreja: "Conheço as suas obras... Conheço as suas aflições... Sei onde você vive... Conheço... o seu amor, a sua fé, o seu serviço, a sua perseverança..." (Ap 2-3). O mesmo princípio pode ser se aplica a cada indivíduo, tanto aos que já creem em Cristo, como àqueles que fingem interesse na Palavra de Deus. "Não há nada oculto que não venha a ser revelado, e nada escondido que não venha a ser conhecido e trazido à luz".

Por isso Jesus exorta cada ouvinte da Parábola do Semeador a considerar, não apenas o que está ouvindo, mas como está ouvindo. O simples ouvir já coloca você numa posição de responsabilidade diante de Deus. Mas como você ouve? Alguns ouvem por curiosidade e outros por educação, mas há quem ouça para colocar em prática. Deus irá cobrar de você o como ouviu a sua Palavra.

Na Parábola do Semeador todos ouviram a Palavra. Apesar de ter sido comida pelas aves, a semente que caiu à beira do caminho ficou ali por algum tempo. A que caiu em solo rochoso chegou a germinar e a deixar uma aparência de vida, ainda que fosse uma plantinha morta e esturricada pelo sol. A que caiu entre os espinhos cresceu o suficiente para parecer que aquela pessoa tinha algum cristianismo em si. Em todas as situações, quem ouviu será tido por responsável diante de Deus. "A quem tiver, mais lhe será dado; de quem não tiver, até o que pensa que tem lhe será tirado" (Lc 8:18).

Quando o rei Davi pecou, adulterando com a mulher de Urias e levando o marido traído à morte para esconder seu pecado, Deus o advertiu por intermédio do profeta Natã: "De sua própria família trarei desgraça sobre você... você fez isso às escondidas, mas eu o farei diante de todo o Israel, em plena luz do dia" (2 Sm 12:11-12). Se você ainda não confessou o seu pecado a Deus; se ainda não resolveu sua questão eterna, faça isso agora. "Não há nada oculto que não venha a ser revelado". E se você apenas finge ser cristão para agradar aos homens, à família, lembre-se de que "quem não tiver, até o que pensa que tem lhe será tirado".

Nos próximos 3 minutos Maria e os irmãos de Jesus querem tirá-lo de circulação.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#385 Luz



Leitura: Lucas 8:16
Vídeo: http://youtu.be/AWYmdstg1-Q

Depois de falar do fruto produzido pelo que ouve a Palavra de Deus, a entende, aceita e conserva, Jesus fala de outra consequência disso: luz. "Ninguém acende uma candeia e a esconde num jarro ou a coloca debaixo de uma cama. Pelo contrário, coloca-a num lugar apropriado, de modo que os que entram possam ver a luz" (Lc 8:16). Mais uma vez o assunto aqui é a responsabilidade do ouvinte.

Ainda que seja uma frágil vela ou candeia neste mundo, a luz do cristão é percebida. Mas, assim como o diabo, a carne e o mundo podem impedir a semente de germinar e produzir fruto, aqui é a vasilha e a cama que impedem a luz de brilhar. Uma vasilha é usada para guardar alimentos e a cama para descansar. O cristão ocupado apenas em juntar bens para garantir um descanso neste mundo terá dificuldade em fazer sua luz brilhar.

O primeiro capítulo do evangelho de João fala de Jesus, dizendo que "nele estava a vida, e esta era a luz dos homens. A luz brilha nas trevas, e as trevas não a derrotaram" (Jo 1:4-5). E continua falando de João Batista, um homem enviado por Deus, mas que não era a luz. "Ele veio como testemunha, para testificar acerca da luz, a fim de que por meio dele todos os homens cressem. Ele próprio não era a luz, mas veio como testemunha da luz. Estava chegando ao mundo a verdadeira luz, que ilumina todos os homens" (Jo 1:7-9).

No capítulo 8 do evangelho de João, Jesus diz: "Eu sou a luz do mundo. Quem me segue, nunca andará em trevas, mas terá a luz da vida", e no capítulo seguinte ele diz: "Enquanto estou no mundo, sou a luz do mundo" (Jo 8:12; 9:5). Enquanto Jesus estava no mundo ele era luz do mundo, mas e depois de morrer, ressuscitar e subir ao céu, será que o mundo ficou sem luz? Não, pois em Mateus 5 ele diz que os que creem nele "são a luz do mundo" (Mt 5:14).

Se você já creu em Cristo como seu Salvador e tem a certeza de seus pecados perdoados, você está por Jesus no mundo diante dos homens, enquanto ele está por você no céu diante do Pai. Se você já está salvo e pronto para habitar na glória, por que foi deixado aqui? Para brilhar e trazer glória para Deus. Mateus explica: "Assim brilhe a luz de vocês diante dos homens, para que vejam as suas obras e glorifiquem ao Pai de vocês, que está nos céus" (Mt 5:16). Porém o brilho do seu testemunho não vem do esforço próprio, mas da comunhão com Cristo, e o óleo combustível dessa luz é o Espírito Santo que habita em você.

Nos próximos 3 minutos Jesus fala de coisas ocultas.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#384 Espinhos



Leitura: Lucas 8:5-15
Vídeo: http://youtu.be/9m-mtBbaMec

Jesus continua com a Parábola do Semeador. "Outra parte caiu entre espinhos, que cresceram com ela e sufocaram as plantas... E a que caiu entre espinhos, esses são os que ouviram e, indo por diante, são sufocados com os cuidados e riquezas e deleites da vida, e não dão fruto com perfeição" (Lc 8:7, 14). Se você já tentou atravessar um arbusto de espinhos, sabe o que significa. Eles agarram suas roupas e o fazem parar. Não há como seguir adiante; é impossível avançar.

Repare que os espinhos já estavam lá quando a semente caiu. Talvez ainda fossem pequenos e tenros, mas certamente iriam crescer vigorosos ao ponto de sufocar a planta. Os espinhos são as preocupações, riquezas e prazeres desta vida. Coisas que podem até ser lícitas, mas mesmo assim servem de obstáculo à salvação do incrédulo e à comunhão do crente com Deus.

Até aqui as três tentativas de semear foram frustradas por falta de um solo adequado à boa semente. Que tipo de solo a Palavra de Deus encontra em você? Será do tipo que não quer perder as amizades dos que passam pelo caminho? Ou do tipo que diz "Já tenho minha religião", sem nunca ter verificado se ela está de acordo com a Palavra de Deus? Pessoas assim são presa fácil de Satanás e seus agentes. Talvez você receba as coisas de Deus com alegria, mas sem profundidade por não existir um arrependimento sincero de seus pecados. Ou quem sabe os espinhos das preocupações, riquezas e prazeres o estejam prendendo?

Independente se a aplicação da Parábola é para o crente ou incrédulo, há três coisas que impedem a semente de germinar: Satanás, a carne e o mundo. Estas aparecem na forma das aves, das pedras e dos espinhos. Felizmente existe ainda uma quarta situação, a da semente que cai em solo propício. "Outra ainda caiu em boa terra. Cresceu e deu boa colheita, a cem por um... as que caíram em boa terra são os que, com coração bom e generoso, ouvem a palavra, a retêm e dão fruto, com perseverança" (Lc 8:8, 15).

Espero que este seja o solo que a Palavra de Deus encontrará em você: longe das opiniões dos homens e dos agentes religiosos de Satanás; com uma consciência quebrantada pelo arrependimento, e livre dos espinhos que tentam agarrá-lo e prendê-lo a esta vida. Quando comparamos a mesma parábola em Mateus, Marcos e Lucas, descobrimos que em todos os casos todos ouvem a Palavra. Porém em Mateus a boa terra é identificada como aquele que ouve e entende a Palavra; em Marcos, como quem ouve e aceita; e em Lucas, ouve e retém. Entender, aceitar e reter a Palavra são os requisitos para você dar fruto para Deus.

Nos próximos 3 minutos Jesus fala de luz.


(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#383 A semeadura



Leitura: Lucas 8:5-15
Vídeo: http://youtu.be/dmGExdMOCps

"O semeador saiu a semear. Enquanto lançava a semente, parte dela caiu à beira do caminho; foi pisada, e as aves do céu a comeram" (Lc 8:5). Enquanto o caminho nos fala da influência humana, pois é o lugar onde as pessoas pisam, Jesus explica que as aves representam Satanás. Aqueles que ouvem a Palavra de Deus e se deixam influenciar pela opinião pública, ou de amigos e parentes, acabam estéreis e a semente lhes é tirada por Satanás.

O diabo está mais ativo na cristandade do que podemos imaginar. Ao ler a parábola do grão de mostarda no evangelho de Mateus, você encontra as mesmas aves fazendo seus ninhos nos ramos da grande árvore de mostarda que representa a cristandade. As aves ou agentes de Satanás estão confortavelmente instalados nos ramos da cristandade, visando atrapalhar a obra de Deus. O diabo não age só nas coisas ilícitas e imorais; o diabo atua principalmente na religião.

"As que caíram à beira do caminho são os que ouvem, e então vem o diabo e tira a palavra dos seus corações, para que não creiam e não sejam salvos" (Lc 8:12). Infelizmente muitos são como a beira do caminho. Querem estar onde a maioria está, e pensam que fazendo isso de uma maneira religiosa ou evangélica estão seguros. Isso é um engano. Os agentes do diabo estão fortes e ativos nas igrejas do mundo cristianizado.

"Parte dela caiu sobre pedras e, quando germinou, as plantas secaram, porque não havia umidade... As que caíram sobre as pedras são os que recebem a palavra com alegria quando a ouvem, mas não têm raiz. Creem durante algum tempo, mas desistem na hora da provação" (Lc 8:6, 13). O coração humano é duro como pedra, pois esta é a natureza da carne, sempre resistente ao Espírito de Deus. Mas a carne é também dada a emoções passageiras, e é por isso que muitos recebem a Palavra com alegria, mas não têm profundidade para fixar suas raízes.

O evangelho certamente traz alegria, mas é preciso encontrar o solo quebrantado de uma consciência arrependida. O profeta Jeremias descreve como foi sentir o peso do seu pecado: "Eu me arrependi; depois que entendi, bati no meu peito. Estou envergonhado e humilhado porque trago sobre mim a desgraça da minha juventude" (Jr 31:19). Se você acha que crer em Jesus é só alegria, certifique-se de não estar entre os que "desistem na hora da provação". A convicção de pecado e o arrependimento são partes integrantes da conversão.

Até aqui vimos Satanás agindo, inclusive por meio de seus agentes no mundo religioso, impedindo que a semente germine e dê fruto. Vimos também que receber a boa semente sem uma consciência de pecado não passa de um oba-oba passageiro. Nos próximos 3 minutos Jesus fala de espinhos que agarram.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#382 Parabolas



Leitura: Lucas 8:5-15
Vídeo: http://youtu.be/ROUpBw-e0pc

Parábola é um estilo de comunicação que faz uso simbólico de pessoas, coisas e situações para transmitir um ensinamento. Jesus fala por parábolas, porém o leitor desatento poderá achar que isso seja para facilitar o entendimento. Muito pelo contrário. Ele fala por parábolas, não para simplificar, mas para ver até onde vai o interesse dos ouvintes. Pessoas indiferentes não estão interessadas em entender, portanto para elas as parábolas não trazem qualquer benefício.

Em Mateus 13 os discípulos perguntam por que Jesus fala por parábolas, e ele responde "A vocês foi dado o conhecimento dos mistérios do Reino dos céus, mas a eles não... Por essa razão eu lhes falo por parábolas: 'Porque vendo, eles não veem e, ouvindo, não ouvem nem entendem'. Neles se cumpre a profecia de Isaías: 'Ainda que estejam sempre ouvindo, vocês nunca entenderão; ainda que estejam sempre vendo, jamais perceberão. Pois o coração deste povo se tornou insensível; de má vontade ouviram com os seus ouvidos, e fecharam os seus olhos'" (Mt 13:10-17).

As parábolas servem para testar os ouvintes e ver até onde vai o interesse de cada um. Os indiferentes ouvem e não entendem. Os interessados pedem uma explicação. Ao comentar esta mesma Parábola do Semeador, o evangelista Marcos diz que "quando ele ficou sozinho, os doze e os outros que estavam ao seu redor lhe fizeram perguntas acerca das parábolas" (Mc 4:10).

O Semeador é Jesus e a semente é a Palavra de Deus. O campo é o mundo, e se ele precisa ser semeado é porque ainda não dá fruto para Deus. A terra pode estar arada, mas de nada serve sem a preciosa semente. O dono do campo já não tem ilusão de colher algo ali, a menos que seja semeado. Deus tentou encontrar no homem algum fruto e não achou, nem mesmo em Israel, um povo privilegiado por Deus. Aqui o Senhor começa algo novo no mundo, a partir da terra virgem.

Apesar desta parábola, que aparece em três evangelhos, ser muito usada para o evangelismo, repare que existem diferenças sutis em sua aplicação. Em Mateus a semente é "a palavra do Reino" (Mt 13:19); em Lucas é a "palavra de Deus" (Lc 8:11), portanto em Mateus ela é dirigida aos que estão no Reino, que dão frutos em proporções diferentes. Em Lucas os frutos são de um só tipo, a conversão. Em Mateus o que entende a Palavra dá fruto; em Lucas é o que crê na Palavra. Porém em todos os casos é a qualidade do solo e as circunstâncias que fazem a diferença, tanto para o crente no modo como recebe a Palavra no dia-a-dia, como para o incrédulo que a recebe pela primeira vez. A questão é de responsabilidade do homem, já que a semente é perfeita.

Nos próximos 3 minutos saiba o que pode interferir no resultado da semeadura.


(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)

#381 O semeador



Leitura: Lucas 8:1-5
Vídeo: http://youtu.be/sdzUycJcYCA

Jesus continua viajando e pregando as boas novas do Reino. Ao contrário dos reinos humanos, cuja expansão é garantida pela espada, a expansão do Reino de Deus se dá pela semeadura, e aqui é o próprio Rei que sai a semear. Este não é o trabalho de um rei, mas Jesus veio ao mundo em humilhação e não em exaltação. Ele veio antes para plantar, não para colher. Um dia ele voltará para recolher o trigo no celeiro e queimar a palha.

Jesus é um pregador itinerante, ele sai a semear. É comum encontrarmos "igrejas" que são apenas pontos de pregação esperando por incrédulos. Porém a igreja, palavra que significa "reunião" ou "assembleia", não é para incrédulos, mas pessoas salvas pela fé em Jesus e congregadas pelo Espírito ao seu nome. Em Atos 2:42 os primeiros cristãos estavam congregados para perseverar "na doutrina dos apóstolos, e na comunhão, e no partir do pão, e nas orações".

A atividade da igreja não incluía o evangelismo, pois a igreja não evangeliza -- a igreja se reúne para aprender, orar e adorar. Quem evangeliza é o crente individualmente, em especial os que têm o dom de evangelista. Estes saem como Jesus saiu levando a preciosa semente. Os convertidos são reunidos pelo Espírito, e os que têm o dom de pastor os exortam a permanecerem no Senhor, e os que têm o dom de mestre ou doutor entram em cena para ensiná-los e edificá-los.

Uma belíssima representação disso você encontra no capítulo 11 de Atos. Ali os que foram dispersos pela perseguição chegaram até Antioquia evangelizando os gregos. Muitos creram e se converteram ao Senhor. Barnabé foi visitá-los e, fazendo uso de seu dom de pastor, os exortou a permanecerem no Senhor. Então convidou Paulo para ensiná-los, o que ele e Barnabé fizeram usando seu dom de mestre ou doutor. Em Antioquia eles foram chamados de "cristãos".

Isto nos leva a uma questão de suma importância: Como aqueles que creem em Jesus devem ser chamados? O termo "cristão" aparece mais duas vezes no Novo Testamento. Em Atos 26 o Rei Agripa argumenta que Paulo quer fazer dele um "cristão", e na primeira epístola de Pedro o apóstolo diz que se alguém "sofre como cristão, não se envergonhe, mas glorifique a Deus por meio desse nome" (1 Pd 4:16). Cristão significa simplesmente um seguidor do Cristo.

No Novo Testamento os salvos por Jesus são também chamados de "irmãos" ou "santos", que significa "separados". Qualquer outra denominação não tem fundamento bíblico e nega, na prática, o testemunho de que há um só corpo de Cristo, a igreja, da qual fazem parte todos os salvos, sem exceção. Você acha que Deus aprovaria que os salvos por Cristo se identificassem por diferentes denominações?

Nos próximos 3 minutos saiba por que Jesus falava por parábolas.

(Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.