"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

Carregando...

#665 O Evangelho do Reino


Leitura: Marcos 1:14

Marcos omite o ministério de Jesus iniciado na Judeia e descrito no Evangelho de João e passa direto para os eventos na Galileia. “Depois que João foi preso, Jesus foi para a Galileia, proclamando as boas novas de Deus. ‘O tempo é chegado’, dizia ele. ‘O Reino de Deus está próximo. Arrependam-se e creiam nas boas novas!’” (Mc 1:14-15). Repare que sua pregação tem o mesmo caráter daquela de João Batista, de avisar os judeus para se prepararem para o Reino de Deus que estava próximo. A falta de entendimento do que era o ministério de João Batista, Jesus e seus discípulos nos evangelhos leva a muitos erros de interpretação bíblica.

Primeiro, é preciso ter em mente que Jesus “veio para o que era seu, mas os seus não o receberam” (Jo 1:11). Por isso, até certo ponto dos evangelhos você encontra um ministério voltado aos judeus, mas então vem a rejeição e Jesus passa a falar de sua morte e ressurreição. Mesmo assim ele fala como aquele que veio para reinar no mundo, e não como Cabeça da Igreja, que só seria formada após sua morte, ressurreição e glorificação. A expressão “o Reino de Deus está próximo” não fala do céu ou da salvação eterna, mas sim da instalação do reino na terra. Em Marcos é “reino de Deus”, em Mateus, “reino dos céus”. Mais tarde ele irá falar de joio e trigo no Reino, o que demonstra que o reino é apenas a esfera na terra de sujeição ao Senhor dos céus, sujeição essa que pode ser falsa, como no caso do joio, ou genuína, como no caso do trigo.

A condição para entrar no reino era que os judeus se arrependessem e fossem batizados no batismo de arrependimento de João Batista. Aquele não era um batismo cristão, mas de reconhecimento de que Israel pecou ao afastar-se de Deus e assassinar seus profetas. Apenas um pequeno número de judeus se submetia a esse arrependimento, representando assim o remanescente de judeus que irá se converter após o arrebatamento da Igreja. Eles passarão pela tribulação e os sobreviventes entrarão vivos no reino de mil anos de Cristo na terra. As “boas novas” a que Jesus se refere aqui são as da instalação do reino. Ele ainda não tinha morrido na cruz para tirar o pecado do mundo e salvar os pecadores, por isso as boas novas do “evangelho da graça de Deus” (At 20:24) ainda não eram conhecidas desses judeus.

Hoje, a boa notícia que pregamos não é “arrependam-se... pois o Reino de Deus está próximo”, como você encontra neste Evangelho, mas sim, “creiam no Senhor Jesus e vocês serão salvos” (At 16:31).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.