"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

Carregando...

#668 “Cri, por isso falei”



Leitura: Marcos1:21-22

Juntando o que aprendemos nos episódios anteriores, vimos que o Senhor chama discípulos para segui-lo, não para seguirem alguma junta de homens ou religião. Vimos também que, antes de fazer suas escolhas na vida pessoal, profissional ou sentimental, o servo de Deus deve evitar aquelas que comprometam seu testemunho e serviço ao Senhor. Em hipótese alguma ele deve se valer do serviço para Deus como forma de enriquecer. A “Teologia da Prosperidade” é uma mentira que tenta aplicar à Igreja, cuja esperança é celestial, promessas de prosperidade material que Deus fez a Israel, cuja esperança é terrena.

A pregação do servo de Deus deve ser centrada em Cristo, não num líder, doutrina ou denominação. Ela jamais deve exaltar aquele que prega, o qual deve apresentar Cristo às pessoas e sair da frente. Não bajular e nem aceitar a bajulação é um exercício diário de todo cristão ocupado em exaltar apenas o Senhor. Ao contrário dos mestres da Lei, que ensinavam suas próprias opiniões sobre as Escrituras, Jesus ensinava com a autoridade que a própria Palavra de Deus confere. Pregue o que a Bíblia diz, com o discernimento do Espírito Santo, e você estará pregando com a autoridade que emana da Palavra de Deus, não de alguma religião.

Lembro-me de um irmão que, quando perguntado sobre algum assunto, respondia: “Vamos ver o que diz a Palavra de Deus”, e abria sua Bíblia. Não é na história, arqueologia, cultura ou costumes que você encontra o entendimento da Bíblia, mas na própria Palavra aplicada no poder do Espírito. “Se alguém falar, fale segundo as palavras de Deus; se alguém administrar, administre segundo o poder que Deus dá; para que em tudo Deus seja glorificado por Jesus Cristo, a quem pertence a glória e poder para todo o sempre.” (1 Pe 4:11). Não é pela sabedoria humana que se aprende a Palavra, mas pela sujeição a ela, pois o Senhor “guia os humildes na justiça e ensina aos mansos o seu caminho.” (Sl 25:9).

A afirmação de Paulo serve para quem se propõe a pregar a Palavra. Ele disse: “Cri, por isso falei. Com esse mesmo espírito de fé nós também cremos e, por isso, falamos, porque sabemos que aquele que ressuscitou ao Senhor Jesus dentre os mortos, também nos ressuscitará com Jesus” (2 Co 4:13). Se você não tem certeza da salvação pela fé em Jesus, é melhor fazer a lição de casa. Como pode dizer aos outros que devem crer em Jesus se você que crê não está seguro de seu destino eterno? Será que seu evangelho não passa de uma religião ou lista de regras a ser seguida?


(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.