"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,
para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

Carregando...

#148 Agua viva



Leitura: João 4:5-13
Vídeo: http://www.youtube.com/watch?v=gGTddocV0kg
 Anterior: #147 Intolerância religiosa


Encontramos agora Jesus à beira de um poço, cansado e com sede. Apesar de ser Deus, em sua condição humana ele experimentava as mesmas sensações e necessidades que nós experimentamos, exceto tentações internas, já que era sem pecado. Aquele que era capaz de multiplicar os pães e transformar a água em vinho, mas que nunca usava seus poderes em benefício próprio, é visto aqui cansado e com sede.

Uma mulher samaritana se aproxima carregando um cântaro vazio, e ele pede água a ela. A mulher fica surpresa, pois um judeu jamais conversaria com uma mulher samaritana. O que ela não sabe é que não está diante de um mero judeu, mas do próprio Criador na forma humana. Para Jesus não existe discriminação. Aquela mulher tem sede? Ele também, portanto sabe como ela está se sentindo. Mas ele sabe muito mais sobre ela, por isso diz: "Se você conhecesse a dádiva de Deus e quem é que lhe pede água, você lhe teria pedido e ele lhe teria dado água viva".

Pensando que Jesus estivesse falando de água natural, a mulher argumenta que o poço é fundo e ele não tem como tirar água dali. Onde ele conseguiria essa tal de água viva? Mas Jesus não está falando da água do poço e nem de qualquer água obtida por esforço humano. "Todo o que beber desta água tornará a ter sede; mas aquele que beber da água que eu lhe der nunca terá sede; pelo contrário, a água que eu lhe der se fará nele uma fonte de água que jorre para a vida eterna".

O que você vê aqui é o contraste entre a auto-ajuda e a ajuda do alto. A mulher está preocupada com necessidades momentâneas; Jesus está falando da eternidade. Ela avalia as dificuldades, a profundidade do poço, o esforço e as técnicas necessárias para obter água. Jesus fala da dádiva de Deus, que se recebe pedindo à pessoa certa. A mulher pensa em soluções pontuais e passageiras. Jesus está falando de algo definitivo.

A ideia da auto-ajuda e de seus gurus, livros e palestras, pode ser muito atraente, mas é míope. Ela oferece soluções momentâneas para necessidades passageiras. Não é capaz de ver a perspectiva eterna e definitiva que Deus oferece em Jesus. Não tem solução para a morte, mas fica repetindo que você precisa se feliz, ser próspero, ser uma pessoa melhor, pensar positivamente, seguir seu coração... e voltar no dia seguinte para uma nova revelação do guru, comprar outro livro ou ver outra palestra.

Quem beber dessa água das fontes humanas do esforço próprio só pode voltar a ter sede, mas quem beber da água que Jesus oferece, esta se transforma numa fonte que jorra para a vida eterna. Ao saber disso, nos próximos 3 minutos a mulher samaritana faz o pedido que você já deveria ter feito, se ainda não fez.

A seguir: #149 O pedido
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Para baixar os vídeos:

http://www.mediafire.com/?50ddj2c90jjjs É permitido gravar, copiar e distribuir gratuitamente.