"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,

para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#816 Divórcio e novo casamento - Marcos 10:10-12


Leitura: Marcos10:10-12

“Quando estava em casa novamente, os discípulos interrogaram Jesus sobre o mesmo assunto. Ele respondeu: ‘Todo aquele que se divorciar de sua mulher e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério contra ela. E se ela se divorciar de seu marido e se casar com outro homem, estará cometendo adultério’.” (Mc 10:10-12). Mateus 19:9 complementa acrescenta que a imoralidade sexual rompe o vínculo matrimonial e possibilita o divórcio. Ali Jesus diz: “Todo aquele que se divorciar de sua mulher, exceto por imoralidade sexual [gr. ‘porneia’], e se casar com outra mulher, estará cometendo adultério.”.

Portanto um matrimônio não se desfaz por incompatibilidade de gênios ou outro motivo, mas somente por adultério. Mesmo assim, isso não é carta branca para o divórcio. O Senhor diz: “Eu odeio o divórcio” (Ml 2:16). Portanto é uma possibilidade, não uma ordem. A maneira de Deus é sempre de perdão e  reconciliação, como ordena a Palavra: “Sejam bondosos e compassivos uns para com os outros, perdoando-se mutuamente, assim como Deus perdoou vocês em Cristo.” (Ef 4:32).

Também existe a possibilidade de separação quando ambos cônjuges são crentes, mas não para um novo casamento: “Aos casados dou este mandamento, não eu, mas o Senhor: que a esposa não se separe do seu marido. Mas, se o fizer, que permaneça sem se casar ou, então, reconcilie-se com o seu marido. E o marido não se divorcie da sua mulher.” (1 Co 7:10-11). Aqui não é previsto novo casamento pois mais tarde pode haver arrependimento e reconciliação.

Deus não aprova o casamento de um convertido com um inconverso, porém em um casal de incrédulos, quando um dos cônjuges se converte e o incrédulo decide romper o vínculo, existe a possibilidade de separação e novo casamento: “Se o descrente separar-se, que se separe. Em tais casos, o irmão ou a irmã não fica debaixo de servidão” (1 Co 7:15).  A palavra servidão pode ser também entendida como vínculo ou compromisso.

Existem os casos de pessoas que se casam e divorciam uma ou mais vezes quando ainda na incredulidade, e depois um ou os dois cônjuges se convertem. Neste caso prevalece a condição em que estavam na ocasião da conversão, pois não há como desfazer o passado. “Cada um deve permanecer na condição em que foi chamado por Deus.” (1 Co 7:20).

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Total de visualizações de página