"Então o SENHOR me respondeu, e disse: Escreve a visão e torna bem legível sobre tábuas,

para que a possa ler quem passa correndo". Habacuque 2:2

Pesquisar este blog

#799 O contraste - Marcos 9:14-18


Leitura: Marcos9:14-18

Jesus estava no monte onde foi transfigurado, revelando a glória de seu reino futuro junto a Moisés e Elias. Mais tarde Pedro, em sua carta, falaria “do poder e da vinda de nosso Senhor Jesus Cristo”, da qual ele, Tiago e João tinham sido “testemunhas oculares da sua majestade [quando] ele recebeu honra e glória da parte de Deus Pai, quando da suprema glória lhe foi dirigida a voz que disse: "Este é o meu filho amado, em quem me agrado.”. E Pedro continua, dizendo: “Nós mesmos ouvimos essa voz vinda do céu, quando estávamos com ele no monte santo.” (2 Pe 1:16-18).

A cena muda quando descem do monte para o lugar “onde estavam os outros discípulos.”. Um homem diz: “Mestre, eu te trouxe o meu filho, que está com um espírito que o impede de falar. Onde quer que o apanhe, joga-o no chão. Ele espuma pela boca, range os dentes e fica rígido. Pedi aos teus discípulos que expulsassem o espírito, mas eles não conseguiram.” (Mc 9:14-18). Este é o contraste entre a glória futura e o mundo presente de ruína e dor, o mesmo onde estavam e estão os discípulos de Jesus. Se você vive encantado com a cristandade festiva que vê ao redor, é bom saber o que Pedro, e depois Judas, revelam ao falarem de alguns que se denominam cristãos e são seguidos por multidões:

“Eles difamam o que desconhecem e são como criaturas irracionais, guiadas pelo instinto, nascidas para serem capturadas e destruídas; serão corrompidos pela sua própria corrupção!... São nódoas e manchas, regalando-se em seus prazeres, quando participam das festas de vocês... nunca param de pecar, iludem os instáveis e têm o coração exercitado na ganância... Pois seguiram o caminho de Caim, buscando o lucro... são rochas submersas nas festas de fraternidade... São pastores que só cuidam de si mesmos. São nuvens sem água, impelidas pelo vento; árvores de outono, sem frutos, duas vezes mortas, arrancadas pela raiz. São ondas bravias do mar, espumando seus próprios atos vergonhosos; estrelas errantes, para as quais estão reservadas para sempre as mais densas trevas... seguem os seus próprios desejos impuros; são cheias de si e adulam os outros por interesse... Estes são os que causam divisões entre vocês, os quais seguem a tendência da sua própria alma e não têm o Espírito.” (2 Pe 2:12-13; Jd 1:10-19).

Sim, isso foi escrito, não a respeito de pagãos, mas de pessoas que se dizem cristãs em tempos de ruína e abandono da verdade. O cenário abaixo do monte de glória é este mesmo, e você viverá iludido se pensar o contrário.

(Mario Persona é palestrante e consultor de comunicação, marketing e desenvolvimento profissional (www.mariopersona.com.br). Não possui formação ou título eclesiástico e nem está ligado a alguma denominação religiosa, estando congregado desde 1981 somente ao Nome do Senhor Jesus. Esta mensagem originalmente não contém propaganda. Alguns sistemas de envio de email ou RSS costumam adicionar mensagens publicitárias que podem não expressar a opinião do autor.)
As ideias aqui não são originalmente minhas, mas são fruto do que tenho aprendido da Palavra de Deus fora dos sistemas denominacionais com irmãos congregados ao nome do Senhor e também com autores de outras épocas que congregavam assim, como J. G. Bellett, C. H. Brown, J. N. Darby, E. Dennett, W. W. Fereday, J. L. Harris, W. Kelly, C. H. Mackintosh, A. Miller, F. G. Patterson, A. J. Pollock, H. L. Rossier, H. Smith, C. Stanley, W. Trotter, G. V. Wigram e muitos outros. Uma lista completa em inglês você encontra neste link.

Total de visualizações de página